REVISTA BICICLETA - Specialized Camber
THE POWER OF THE PRO
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

Bicicleta Sense a partir de R$ 2.765,00!
Revista Bicicleta - Edição 68

Assine

Revista Física
Revista Virtual



+bicicleta - Testes - Bicicletas

Specialized Camber

Revista Bicicleta por Pedro Cury
34.614 visualizações
14/06/2011
Specialized Camber
Foto: Pedro Cury

A Specialized traz o modelo Camber para 2011, entrando com uma nova bike de all mountain de 120 mm de curso, vaga antes ocupada pela FSR XC.

A Bike

A Specialized fez muita fama com o sistema de suspensão FSR (Future Shock Rear), criado há mais de 15 anos, passando por refinamentos ao longo do tempo e sendo até hoje um dos mais eficientes. O que o sistema FSR faz é separar as forças - de frenagem e da pedalada - do sistema de amortecimento da bike, ou seja, o amortecedor não é acionado nem quando a bike é freada, nem quando está sendo pedalada. Isso mantém a suspensão ativa todo o tempo, fazendo apenas sua função e trazendo assim maior controle e eficiência. A característica mais visível do sistema FSR são os quatro pivôs no triângulo traseiro do quadro. No caso da Camber, esses pivôs são compostos por rolamentos selados, trazendo maior durabilidade e melhor funcionamento.

O quadro também é composto por alumínio M4, que tem uma liga feita especialmente para a marca e que traz melhores características. Os tubos são hidroformados, garantindo uma melhor relação peso x resistência. Para completar, existem pontos de fixação de conduítes aparafusados no quadro, inclusive para os novos canotes ajustáveis. O ângulo de direção de 68.5 graus e tubo de corrente de 420 mm da geometria é incomum em bikes desse curso e a torna bem ágil, o que ainda é otimizado com o guidão de 680 mm.

O avanço Specialized vem com uma ótima novidade: possui ajuste de angulação com quatro posições diferentes. Para alterar, basta retirá- lo e girar um pequeno anel para a posição desejada. É possível mudar a angulação para -16, -8, +8 e +16.

A suspensão dianteira Rock Shox Recon Silver TK Solo Air e o amortecedor Rock Shox Ario RL formam o conjunto de suspensões e ambos possuem 120 mm de curso, trava por alavanca, funcionamento a ar e controle externo de retorno.

Nas rodas, o destaque fica com os aros DT Swiss com 24 mm de largura, mais largos que os aros de cross-country, porém com a roda dianteira montada com 28 raios enquanto a traseira possui 32, uma escolha inteligente oferecendo leveza na roda que normalmente sofre menos danos. Os pneus Specialized The Captain Sport possuem largura de 2.0", mas parecem maiores, uma boa escolha para all mountain.

Os freios escolhidos foram os Tektro Draco, que são hidráulicos e a disco. Na roda dianteira é usado um rotor de 180 mm para maior frenagem, e um de 160 mm na traseira.

O modelo Comp é o de configuração mais simples da linha Camber, porém, existem ainda as opções Elite, Elite 29er e também a opção do quadro em separado.

Esteticamente a bike tem linhas simples, mas chama a atenção por possuir tubos curvados. Entrando na moda atual, a Specialized também combina cores de componentes, tendo um quadro vermelho e branco, suspensões vermelhas, nipples dos raios vermelhos e punhos, avanço e freios em branco.

O Teste

Para testar a bike chamamos o piloto Edgar Freire, que possui títulos tanto no cross-country quanto no downhill. Testamos a bike em uma trilha bem técnica usada principalmente para downhill, mas com subidas em trilha e asfalto.

A primeira coisa que se nota quando se sobe na bike é que ela fica muito "na mão", isto é, você se sente muito no controle com uma posição confortável, com uma sensação de que a bike foi feita para seu corpo.

Nas subidas, a bike é muito beneficiada por oferecer trava nas duas suspensões, se comportando muito bem em terreno liso. A posição do amortecedor e o tamanho da sua alavanca de trava favorece muito seu uso, sendo de muito fácil acesso. Já o da suspensão dianteira, apesar de ser suave no acionamento, ainda precisa que o ciclista se estique e tire uma mão do guidão, o que seria evitado por um acionamento remoto no guidão. A geometria se parece com de algumas bikes rígidas, exceto pelo ângulo de direção mais aberto, porém, não oferece uma posição tão otimizada em subidas como uma bike especialmente feita para XC. Em subidas técnicas, a bike mostra agilidade e o cassete com catraca maior de 34 dentes também facilita muito quando a inclinação aumenta. Os pneus oferecem uma boa rolagem e capacidade abrangente para as situações comuns das trilhas. Um ponto negativo está no pedivela que usa o sistema Octalink - pesado e já ultrapassado. Uma configuração mais leve deixaria a bike mais capaz, mas fugindo da faixa de preço sugerida para a Comp.

Descendo, a bike traz um comportamento bem ágil, sendo fácil para pilotos mais habilidosos jogá-la de um lado para o outro e se aproveitarem da geometria. É uma bike divertida, que flui bem nas descidas e pede para que o piloto se aproveite de suas características. Mesmo com o avanço de 90mm, a bike tem bastante controle e é fácil de levantar para passar de bunnyhops em trechos técnicos. O ponto negativo fica com os freios Tektro que mesmo com um rotor de 180 mm não ofereceu frenagem suficiente para a capacidade da bike.

Biker Edgar Freire

“Me senti adaptado na bike já no primeiro rolé. Por incrível que pareça ela não só sobe bem, mas também é muito boa na descida, sendo muito ágil nos trechos técnicos. Senti falta de freios mais potentes”.

Conclusão

Bikes com esse curso e essa configuração normalmente possuem uma geometria mais conservadora, oferecendo maior desempenho em subidas em troca de um comportamento mais "engessado" nas descidas. A Specialized Camber nos surpreendeu por subir com muita competência através de uma configuração de linha média e descer com grande habilidade devido à sua geometria positivamente fora do comum.

Garantia e Investimento

Garantia vitalícia para o quadro (apenas para primeiro dono) e 1 ano para componentes.

Preço sugerido: R$ 5.990,00

Mais informações: www.specialized.com.br

Prós

• Geometria
• Avanço ajustável
• Alavanca acessível do amortecedor
• Pontos de fixação de conduíte

Contras

• Freios pouco potentes
• Pedivela Octalink
• Trava dianteira sem acionamento remoto

Vestuário: Camisa e meias IBS Bikes, Bretele Mavic, Sapatilhas Sidi Dragon e capacete Fox Flux.

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados