REVISTA BICICLETA - Rodas
THE POWER OF THE PRO
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

Bicicleta Sense a partir de R$ 2.765,00!
Revista Bicicleta - Edição 68

Assine

Revista Física
Revista Virtual



+bicicleta - Oficina

Rodas

Entenda melhor essa parte da bicicleta, que pode variar muito em cada modalidade

Revista Bicicleta por Pedro Cury
39.969 visualizações
11/11/2014
Rodas
Foto: Michael Blann

As rodas de uma bicicleta são constituídas por: pneus, aros, cubos e raios. Podem ser bem distintas entre si, variando bastante em cada modalidade. É uma das partes mais complexas da bicicleta, devido à sua estrutura de raios tensionados. É também uma das partes mais importantes para redução de peso.

Aros

"Os aros podem ter diâmetros diferentes, atualmente os mais comuns são: 20" (biketrial e BMX); 24" (MTB e BMX); 26" e 29" (MTB); 700C (Estrada). Existem outras medidas, como a 19" e 27.5" (650C), mas não são muito populares. Aros 700C equivalem em diâmetro aos 29", porém essa nomenclatura é mais associada às rodas de estrada.

A largura do aro também é uma medida importante, pois alguns pneus só podem ser usados em determinadas faixas de larguras. Não há muito segredo nisso, já que não existem tantas variações e mecânicos experiêntes vão saber as combinações corretas.

Os aros de bicicletas de estrada e triatlo também possuem propositalmente diferentes alturas da parede, para oferecer diferentes características aerodinâmicas, podendo, inclusive, ser todas fechadas."

Os materiais mais populares empregados na fabricação dos aros são alumínio e fibra de carbono. Alguns aros para freios v-brake possuem uma camada feita de uma liga cerâmica para aumentar o poder da frenagem. Porém, com a substituição cada vez maior dos v-brakes pelos freios a disco, esses tipos de aros estão caindo em desuso no mountain biking. Já nas bikes de estrada, os aros de fibra de carbono algumas vezes possuem essa camada de frenagem feita em outros materiais. O peso baixo, alta rigidez e melhor aerodinâmica são o que caracterizam bons aros.

Além disso, existem aros clincher, tubeless e tubulares. Os aros clincher são os mais comuns, nos quais os pneus são montados nos aros com a câmara de ar no meio. Já os tubeless são aros que aceitam pneus especiais para o uso sem câmara de ar. Os aros tubulares são preparados para receber um tipo de pneu especial, que é costurado junto à câmara de ar e colados ao aro.

Cubos

Os cubos são as partes centrais das rodas, nos quais são fixados os raios que os conectam ao aro. Os eixos, dianteiros e traseiros, passam por dentro dos cubos, servindo de apoio para os rolamentos.

Os eixos variam de largura e diâmetro de acordo com o garfo/suspensão e quadro em que serão montados. Consequentemente as estruturas dos cubos também sofrem variações. Em geral, quanto mais extrema a modalidade, maior será o eixo. Hoje em dia, as principais medidas de eixos dianteiros são 5 mm, 9 mm, 15 mm ou 20 mm de diâmetro por 100 mm e 110 mm de largura. Já nos cubos traseiros os eixos variam de 5 mm, 9 mm, 10 mm e 12 mm de diâmetro, com larguras de 130 mm, 135 mm, 142 mm e 150 mm. Alguns cubos atualmente já possuem adaptadores especiais para o uso com diferentes quadros ou garfos.
Outra característica importante dos cubos é o tipo de rolamento que possuem. Rolamentos de qualidade vão trazer menos resistência à rolagem e maior durabilidade. Alguns sistemas possuem as bilhas montadas diretamente em uma pista dentro do cubo, o que facilita a manutenção e promete uma rolagem mais "solta". Outros sistemas possuem rolamentos blindados, ou seja, que não ficam expostos aos elementos externos e são encaixados diretamente nos cubos. Qual sistema é melhor, ainda é uma questão controversa. Ultimamente estão sendo usados também os rolamentos de cerâmica, nos quais as bilhas (e às vezes a própria pista) são feitas de uma liga de material metálico e cerâmico, o que promete menor resistência à rolagem e menor peso.

O mecanismo de engate também é outro ponto a se considerar em um cubo traseiro. Quanto mais pontos de engate, menos rotação do pedivela é preciso para começar a tracionar a roda. Ao mesmo tempo pode significar um pouco mais de atrito contra a rolagem da roda.

Para completar, os cubos também possuem diferentes furações, que devem ser iguais ao número de furos nos aros e é onde os raios vão encaixar. O padrão mais popular tem 32, mas podem ter 20, 24, 28, 30, 36 ou qualquer número em algumas rodas especiais.

Raios

Presos aos cubos e aros, estão os raios. Podem ser de aço, titânio, carbono ou alumínio, sendo os mais populares e baratos os de aço. Raios de melhor qualidade são menos propensos a falha e mais leves. Possuem diferentes tamanhos, pois precisam satisfazer as medidas dos cubos e dos aros. Para calcular o tamanho é preciso usar algum software ou calculadoras específicas, porém, mecânicos experientes sabem as combinações mais populares e o tamanho certo a se usar. Usar tamanhos maiores pode deixar uma ponta dentro do aro que pode furar a câmara de ar.

Além disso, existem diferentes tipos de enraiamentos. A diferença está em quantas vezes cada raio "cruza" com raios vizinhos. Em geral, quanto mais cruzamentos, mais forte a roda e mais pesada (pois os raios precisam ser mais longos) e até existem enraiamentos retos, sem cruzamentos, que são mais leves, mas precisam de cubos especiais e podem ser mais frágeis às forças laterais. Existem também enraiamentos mistos, podendo ter cruzamentos diferentes em cada lado da roda ou até no mesmo lado. O assunto é bastante complexo e técnico, sendo o ideal usar a recomendação dos fabricantes ou padrões mais aceitos.

Uma outra característica de raios é o seu diâmetro, que pode ser constante ao longo do seu corpo ou variável (popularmente chamado de "trefilado"). Os raios trefilados costumam ser mais leves, por terem mais material apenas nos pontos críticos. Alguns raios têm forma achatada ao invés de circular, prometendo maior aerodinâmica.

Existem também raios especiais, feitos para cubos e aros específicos, que não podem ser usados em outras combinações. São raios que possuem diâmetros, materiais e roscas especificas para o sistema criado pela marca.

Pneus

A camada mais externa das rodas são os pneus, que precisam ter o mesmo diâmetro que os aros para que sejam compatíveis. É um dos componentes mais importantes da bicicleta, pois podem comprometer diretamente e de forma muito perceptível o conforto, segurança e controle. Por ser um tema mais amplo, um artigo específico sobre os pneus será apresentado nas próximas edições. Fique atento!

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados