REVISTA BICICLETA - Quadro Protótipo Kalf Bull-2011
THE POWER OF THE PRO
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

Bicicleta Sense a partir de R$ 2.765,00!
Revista Bicicleta - Edição 68

Assine

Revista Física
Revista Virtual



+bicicleta - Testes - Quadros

Quadro Protótipo Kalf Bull-2011

Por Revista Bicicleta
35.590 visualizações
04/12/2012
Quadro Protótipo Kalf Bull-2011
Foto: Álvaro Perazzoli

A Kalf, indústria nacional de selins, cadeirinhas e quadros para bicicletas, apresentou o primeiro modelo do quadro Kalf Bull em 2007. Segundo a empresa, a proposta era, e ainda é, oferecer um quadro mais reforçado e Com produção 100% nacional, a empresa adotou uma política que baseia o desenvolvimento de sua linha em críticas de pilotos profissionais e o consumidor final.

O Quadro

O quadro apresentado para o teste é um protótipo do modelo 2011 do Kalf Bull destinado à prática de Downhill e Freeride. O modelo, que entra no mercado em fevereiro, teve muitas modificações em relação à versão de 2010 e da apresentada há quatro anos.

O quadro foi montado com a maioria das peças encontradas em bicicletas rígidas populares para a prática de ciclismo extremo no Brasil.

A característica principal do quadro é a robustez. A primeira impressão que o produto passa é de resistência, devido ao diâmetro dos tubos e reforços em diversas regiões.

O peso deste protótipo é de 2.325 g, cerca de 170 g a mais que a versão anterior. Mesmo com o aumento, ele é ainda leve e tolerável para um quadro rígido com a proposta do Bull.

A elevação do peso se dá em função ao aumento do reforço na caixa de direção (Head Tube) e a substituição do tubo inferior (Down Tube) por um modelo utilizado por outro quadro da Kalf, o Mithun, por que segundo a empresa, o tubo é muito mais forte.

As mudanças tornaram o aspecto do quadro mais agressivo, porém um dos reforços aparenta fragilidade; uma chapa com apenas quatro pontos de solda de cada lado instalada no final do tubo superior (Top Tube) com o Tubo do Selim (Seat Tube). Essa chapa não existia no modelo anterior e se tivesse uma solda por completo transmitiria mais confiança ao consumidor.

Segundo a empresa, todos os quadros são desenvolvidos com a liga 6061 com têmpera T6. O tratamento com essa liga torna o quadro forte e rígido, porém é primária em relação aos quadros importados. A grande maioria usa alumínio 7005, material que consegue ter a mesma resistência e ser relativamente mais leve.

O não uso da liga 7005 decorre do custo elevado do material no Brasil, o que torna raro o seu uso pelas indústrias de bicicletas do país.

Foram encontradas algumas microfalhas na pintura, talvez por se tratar de um protótipo.

As soldas do quadro impressionaram e não deixaram a desejar em nada para modelos importados de valor mais elevado.

Toda a adesivação é em transfer, um sistema integrado à pintura que é quase imperceptível ao toque e dá um ótimo acabamento.

O TESTE

O quadro foi testado no Freeride Urbano e em trilhas de Downhill pelo piloto João Paulo Labeda, que organiza eventos de Freeride Urbano em São Paulo, representa um site de ciclismo extremo e pratica Downhill.

No Urban Assault a bike se comportou bem. Nas escadarias, drops, saltos e wall rides, a bike é bem estável e transmite segurança.

Não é uma bike indicada para se fazer manobras, seja no street ou no dirt. A frente é lenta, o central é alto e sua geometria é longa, devido ao fato do quadro ter o ângulo da caixa de direção bem aberto e o triângulo traseiro maior que os quadros rígidos convencionais.

A proposta da empresa é simular a geometria de um quadro full-suspension para se ter uma boa performance em descidas de grande velocidade e ladeiras íngremes. Nestas situações, o quadro Bull mostrou para que veio. Mesmo sendo um quadro rígido, a bike desce como uma bala, e transmite muita segurança ao piloto. Até mesmo em situações de valas, raízes e rock gardens, a bike na configuração escolhida atropelou tudo e se mostrou uma máquina de descer.

Em curvas de alta, a bike também se comportou bem, porém em situações de sprints e arrancadas em terrenos planos, deixou um pouco a desejar.

Em rampas de Downhill (que jogam o piloto para frente) o Kalf Bull se saiu muito bem. As saídas e as aterrissagens foram feitas sem surpresas e com segurança.

Aumentando consideravelmente a altura do canote é possível pedalar grandes distâncias em terrenos planos com um relativo conforto.

Opinião do piloto

O quadro é estável e se sai muito bem no Downhill. Em situações de grande velocidade e em descidas íngremes, ele transmite muita segurança.

Nas escadarias ele também vai bem, principalmente nas curvas, onde a bike não escapa.

O fato da geometria ser longa torna a frente um pouco lenta e difícil de puxar, mas ao mesmo tempo isso faz com que ele não trepide tanto, fazendo com que o pé se mantenha firme no pedal.

PRÓS

• Estabilidade
• Aparência robusta e agressiva
• Produção 100% nacional
• Peso

CONTRAS

• Frente com baixa agilidade

• Chapa traseira com aspecto frágil

• Acabamento com microfalhas

Conclusão

O Kalf Bull é um quadro com uma geometria e construção voltada exclusivamente ao consumidor brasileiro, por ser um dos poucos países do mundo, senão o único, onde os competidores usam bikes rígidas para competir no Downhill.

O quadro não veio para substituir uma full e nem deve ser visto desta forma. É uma opção para quem quer usar um quadro rígido no Downhill e uma solução viável para quem quer praticar o esporte gastando pouco.

O quadro é específico ao Freeride e o Ciclismo Extremo e deve ser respeitado, pois seu desempenho é limitado em outras modalidades.

GARANTIA E INVESTIMENTO

Quadro com seis meses de garantia e valor final de aproximadamente R$ 390,00.

Distribuído pela Kalf:
www.kalf.com.br 
kalfextreme@kalf.com.br

Ficha Técnica

Tamanho: 14’ (testado) e 16’
Marchas: 7
Quadro: Kalf Bull Protótipo 2011
Cor: Azul Metálico
Garfo: Spinner Cargo 340 (140 mm).
Trocadores: Shimano Deore

Câmbio traseiro: Shimano Tiagra.
Mesa: Truvativ Hussefelt 31.8 mm
Guidão: Technium DH Extreme 710 mm 

Freios: Shimano M575 160/203 mm.
Pedivela: Alivio Octalink 36 D.

Guia de Corrente: Prowheel
Cubos: Diant. Rondan eixo de 20 36f / Tras. Quando Disc. 36f
Aros: Tras. Vzan Vmaxx 36F / Diant. Vzan Deeper 36F.
Cassete: Shimano Altus 7v
Pneus: CST Down Hill Hawk 2.35.
Selim: Kalf Freeride
Canote: N/D
Pedais: Wellgo
Peso total da bike: N/D
peso do quadro: 2.325 g

Agradecimentos: loja Xtore e a Malix pelo fornecimento de equipamentos de proteção e Destak Cicle By For Hell pela montagem do quadro e fornecimento de peças.

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados