REVISTA BICICLETA - Pedal de mulher
Baixe Gratuitamente a Edição Digital de Maio - Junho 2017 da Revista Bicicleta!
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

SHIMANO
Revista Bicicleta - Edição 78

Leia

Revista
Bicicleta



+bicicleta - Modalidades - Mountain Bike

Pedal de mulher

Depois que roubaram a suspensão da minha bike aqui na Austrália acabei por conhecer todas as lojas de bike da região. Numa delas, uma revendedora Specialized enorme, conheci Tanya, que comanda a parte feminina da loja, e diga-se de passagem nada pequena. Parece que finalmente as marcas descobriram as mulheres e não só isso, aprenderam como as mulheres pensam. Talvez porque foram suficientemente inteligentes para colocá-las no comando; ninguém melhor que mulher para entender as necessidades e gostos femininos.

Revista Bicicleta por Luli Cox
5.021 visualizações
20/08/2016
Pedal de mulher
Foto: Luli Cox

O tema de hoje acaba por ser o mesmo: mulher e pedal! Descobri que todas as terças organizavam pedais femininos com saídas da loja, que está estrategicamente a metros de Nerang Park, um dos melhores playgrounds para praticar o mountain biking aqui em Gold Coast. Intercalados em sábados, com pedal iniciante e pedal avançado, ainda era possível reservar uma bike demo para testar.

Preciso confessar que sou preconceituosa com algumas coisas, não sei explicar bem porque nunca fui de escolher lugares onde a frequência é somente feminina, querer treinos separados, corridas só de mulher. Mas na minha atual circunstância sem bike e sem conhecer muitas pessoas achei que estava na hora de mudar esse comportamento.

Pedal avançado? Qual será o nível de esforço? Será técnico? Me divertindo com a ansiedade tratei de reservar uma bike para ir pedalar no dia seguinte. Rumor, uma simpática bike da Specialized muito parecida com a Rocky Mountain que piloto; 120 mm de suspensão dianteira e traseira apenas com rodas maiores, de 650b, ou 27.5.

Eram nove mulheres reunidas no estacionamento da loja prontas para pedalar. Quando digo prontas para pedalar, digo femininamente lindas e preparadas. Uniformes que combinam com as meias, capacetes e luvas. Bikes com peças cuidadosamente escolhidas e coloridas.

Com poucos minutos de pedal já deu para perceber onde tinha me metido, não estava no meio de meninas. Eram mulheres com M maiúsculo. “Aquelas duas competem enduro”, disse Tanya após o meu comentário que eu gostaria de apavorar nas descidas. “Sharon foi campeã australiana de maratonas na sua idade”.

Sharon liderava o grupo e escolhia as trilhas tão decidida como compete. Conhecia o parque como quintal de casa. Nerang Park é uma reserva predominantemente de eucaliptos, uma floresta bem homogênea e igual, se perder ali deve ser fácil, fácil. As trilhas são de um nível técnico que vi em poucos lugares, apenas singletracks! 

Pedalando focada em tentar acompanhar e aplicar a energia certa no pedal, ria sozinha; tinha em alguns minutos com o grupo, resposta para todas as minhas perguntas da véspera. O nível do pedal era avançado, lê-se nível de mulheres patrocinadas, competidoras cheias de habilidades. As trilhas não podiam ser melhores para quem gosta de um pedal técnico e divertido. O nível de esforço (o meu) era máximo, estava com uma bike que nunca tinha pilotado na vida, em trilhas que nunca havia estado, tentando acompanhar aviões.

A bike se comportou muito bem, não senti muita diferença em agilidade, acho que uma 27.5 consegue responder bem nos singletracks e é mais rápida nas retomadas que uma 26, obviamente. Não descobri nada novo. O pedal bateu no chão algumas vezes, isso é uma característica de bikes baixas, e sabendo disso é necessário tomar mais cuidado nas trilhas e raízes. Sete das bikes eram 29 e duas 27.5. A verdade é que depende muito de onde a bike será utilizada. Ali, entre viradas e pilotagem ágil do singletrack, a 27.5 estava cumprindo lindamente o seu papel.

Nas paradas para o grupo se juntar novamente as conversas eram as mais ecléticas possíveis, desde como lavar e secar roupa até a tração do pneu e técnicas de pilotagem. Meu preconceito caiu por terra.

Foram duas horas e quarenta minutos de pedal, num ritmo alucinante e divertido com uma trilha de volta para casa parecida com pump track que me deixou com um sorriso no rosto por horas. Aprendi ali que sim, tem pedal de mulher que muito marmanjo não acompanha!

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados