REVISTA BICICLETA - KHS Alite Comp
THE POWER OF THE PRO
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

Bicicleta Sense a partir de R$ 2.765,00!
Revista Bicicleta - Edição 67

Assine

Revista Física
Revista Virtual



+bicicleta - Testes - Bicicletas

KHS Alite Comp

Revista Bicicleta por Pedro Cury
37.397 visualizações
04/12/2012
KHS Alite Comp
Foto: Pedro Cury

Á marca californiana KHS surgiu ainda em 1974, sem a pretensão de ser o maior fabricante do mundo, mas sim atender uma ampla gama de produtos, com alta performance e ótimo custo-benefício. A Alite Comp confirma a filosofia da marca, sendo um modelo montado exclusivamente para o mercado brasileiro.

A Bike

O quadro é feito em carbono monocoque, com gancheira removível em alumínio. Existe um reforço do lado do rotor do disco, porém, não há protetor do lado do pedivela para evitar arranhados no carbono quando a corrente cai. O tubo de direção é 1.1/8" com reforços visíveis. É oferecido nos tamanhos pequeno, médio e grande. Esse quadro é o mesmo que o Alite Team, top de linha da marca, exceto pelas cores. A geometria de competição é um pouco mais conservadora, com tubo de corrente de 425 mm, um pouco mais longo que outras marcas.

A suspensão é uma Rock Shox Reba RLT 100 mm com sistema de trava Poploc (pelo guidão). A suspensão conta com controle externo de retorno e sistema de amortecimento Motion Control, que permite regular a eficiência da trava.

Os freios Hayes Stroker Trail são a disco e hidráulicos, com rotores de 160 mm em ambas as rodas e oferecem regulagem externa da altura do manete.

A transmissão tem tecnologia Shimano Dyna-Sys, oferecendo 30 marchas, sendo o cassete 11-36 e as coroas 24-32-42 dentes. O pedivela é integrado, usando a tecnologia Shimano Hollowtech II.

O cockpit leva avanço Kore de 100 mm, guidão Kore de 680 mm, canote de carbono Q2 e selim WTB Silverado.

As rodas são montadas com aros WTB SX 24 com 32 raios, cubos em alumínio e pneus Kenda Small Block Eight de tamanho 2.10.

Esteticamente, a bike combina as cores preto, cinza e branco, com esta última cor predominante no selim, suspensão e punhos. O quadro tem linhas suaves, com os tubos superiores em curva.,

O Teste

Para testar a bike, convidamos novamente o atleta Igor Ramon, que é bi-campeão do Paracambi Marathon Cup e vice-campeão estadual de XCO sub-30. Desta vez, pedalamos por uma trilha de nível técnico alto, com muitas pedras e subidas técnicas.

Nas subidas, a bike é muito beneficiada pela trava remota da suspensão. Não só a trava, mas o sistema Motion Control da Rock Shox permite que haja um funcionamento mínimo da suspensão quando travada, que pode ser ajustada pelo piloto. Isso ajuda muito em subidas técnicas, onde é interessante ter um funcionamento reduzido do amortecimento. Não foi sentido nenhum problema com a rigidez do quadro, o que é sempre uma preocupação nos quadros de carbono. A geometria de competição conferiu à bike o comportamento esperado e o tubo de corrente mais longo não pareceu comprometer as subidas, mas também não foi perceptível nenhuma melhoria. O que também se mostrou uma vantagem foi o peso, que próximo dos 11 kg não está mal para um modelo intermediário de competição. Para completar, o cassete 11-36 ajuda muito os atleta menos fortes.

Nas descidas, novamente a suspensão Reba brilhou, com um funcionamento muito ativo e também com a possibilidade de alterar a velocidade de retorno através da regulagem externa. Novamente, o quadro não mostrou problemas de rigidez, mesmo sem ter uma caixa cônica como nos novos modelos e nenhuma característica avançada de conforto ou amortecimento de quadros top de linha. Os freios deixaram a desejar, não se mostrando tão eficientes, mesmo nesta trilha de velocidades mais baixas. O guidão rise melhorou muito o controle da bike e se mostra cada vez mais como uma tendência no cross-country.

Nas diversas situações foi comprovada mais uma vez a eficiência do sistema Dyna-Sys da Shimano, com passagens de marcha suaves e precisas. Os pneus Kenda também mostraram um desempenho bem satisfatório, tendo ótima rolagem como esperado pelo seu design de cravos baixos e juntos, porém sem comprometerem muito em outras situações.

Conclusão

A KHS Alite Comp traz componentes muito bons para uma bike que não é top de linha da marca. Por um preço atrativo, a bike inclui um quadro de carbono monocoque, canote em carbono, uma suspensão de alto desempenho e 30 marchas. O ponto negativo fica com o quadro, que apesar de ser em carbono e mais leve, não oferece novas tecnologias de padrões e de construção.

Prós

• Cassete 11-36
• Quadro e canote de carbono
• Suspensão Rock Shox Reba com bloqueio

Contras

• Quadro sem tecnologias modernas
• Freios com baixa eficiência

Ficha Técnica

Quadro - KHS Alite Comp Carbono Monocoque

Suspensão diant. - Rockshox Reba RLT 100 mm Poploc

Cx Direção - FSA ZS-3

Aros - WTB SX24 - 32 furos

Cubos - Alumínio, para disco

Pneus - Kenda Small Block Eight DTC 26x2.1

Câmbio diant - Shimano SLX 10v

Câmbio tras. - Shimano XT Shadow 10v

Trocadores - Shimano SLX 10v

Corrente - Shimano HG 74

Pedivela - Shimano M552 10v Hollowtech II

Cassete - Shimano HG81 10v - 11-36 dentes

Canote - Q2 Carbon

Selim - WTB Silverado

Guidão - Kore Riser 680 mm

Avanço - Kore 100 mm

Punhos - WTB Dual Density

Freios - Hayes Stroker Trail 160 mm

Garantias e Investimento

Preço sugerido: R$ 7.690,00

A KHS tem garantia de dois anos para o quadro e seis meses para os componentes.

www.fepase.com.br

Vestuário: Capacete Giro Xen, bermuda Da Matta Flames, meias Bikeismylife, óculos Tifosi, sapatilhas Diadora e luvas Fox.

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados