REVISTA BICICLETA - Itapecerica da Serra
THE POWER OF THE PRO
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

Bicicleta Sense a partir de R$ 2.765,00!
Revista Bicicleta - Edição 67

Assine

Revista Física
Revista Virtual



+bicicleta - Roteiros - Brasil - Sudeste

Itapecerica da Serra

Trilha do Kinkaku-Ji - São Paulo

Revista Bicicleta por Paulo de Tarso
36.519 visualizações
17/12/2014
Itapecerica da Serra
Foto: Paulo de Tarso

Pouco mais de 30 minutos separam a capital paulista da Trilha do Kinkaku-Ji, que une a adrenalina do downhill em singletrack à paz do enorme templo budista que dá o nome à trilha. O Kinkaku-Ji, de Itapecerica da Serra, na verdade é uma cópia fiel de seu original, que fica em Kioto, no Japão. Conhecido como Templo Dourado devido à sua pintura (que, no Japão, é feita em ouro) o local é um cinerário, onde são depositadas as cinzas daqueles que nos deixaram. Localizado no meio de uma trilha bem arborizada, com muitas subidas e descidas em estradas de terra e singletrack, o local transforma-se num agradável passeio para qualquer biker.

O início da trilha é na Colina da Serra, um centro de educação ecológica que fica a 2 km da Rodovia Régis Bittencourt. Para chegar lá, siga até o quilômetro 291,5, onde uma placa indica o acesso para o Cemitério Crematório Horto da Paz. Faça o retorno para São Paulo, e logo em seguida entre na primeira estradinha de terra à direita, ao lado do início da estrada tem a CWE Churrasqueiras. Siga as placas indicativas Fazendinha da Colina, e em menos de dez minutos estará no local de partida. Na Colina da Serra, você será bem recebido pela simpática proprietária Mariza, mas sempre ligue antes para informar sua saída do local. O local tem estacionamento, vestiários e recomendo deixar encomendado o almoço para a volta.

Bike montada, zere seu odômetro pela primeira vez na estradinha de terra, exatamente em frente ao portão de acesso ao centro ecológico. Desça à direita, e logo no final do downhill entre à esquerda. A estradinha é tranquila e bastante arborizada. No início, algumas subidas exigirão um pouco mais de esforço, que sempre será recompensado por uma descida de igual proporção. Na verdade, isso ocorrerá durante todo o circuito, com subidas e descidas alternando-se constantemente. Após 1,5 quilômetro de pedal, um pequeno vilarejo será encontrado. Quando o odômetro marcar 1,75, bem em frente do número 1605, entre à direita na trilha que segue beirando a cerca morro acima. Antes, zere o odômetro na entrada da trilha. O trecho de singletrack é curto e não muito pedalável. A trilha termina em outra estradinha. Desça à esquerda e logo à frente há um maravilhoso lugar, com mata nativa e um bosque repleto de araucárias. O incrível é pensar que a poluída São Paulo fica há alguns quilômetros dali.

Seguindo sempre em frente fique atento no quilômetro 5,12, pois você encontrará a pior subida do circuito. No quilômetro 4,58, continuamos por outra estradinha, agora à direita. A subida é meio chata, apesar de ser asfaltada, mas seu final é recompensador: um downhill “animal” para dar um pouco de emoção. O final do descidão é bem em frente ao portão de baixo do Kinkaku-Ji, uma surpresa e tanto no meio de toda aquela vasta mata. A beleza de sua arquitetura oriental, o paisagismo e o lago cheio de carpas deixam qualquer biker boquiaberto.

Macacos e aranhas

De volta ao pedal, zere novamente o odômetro na porteira de entrada e continue pela estradinha. Dependendo da época do ano em que você estiver passando, um túnel de teias de aranha estará logo acima de sua cabeça. Ou, se tiver um pouco de sorte, pode dar de cara com um bando de bugios, um enorme macaco muito comum na região.

Antes de terminar essa estrada é possível abastecer a caramanhola com água potável. A partir daí começa outra estrada, um pouco mais larga, onde você deve descer à direita, na descida mais longa de todo o passeio. Atenção no final: entre à esquerda, e depois suba à direita e no final da subida continue subindo, pela estradinha à sua esquerda. Uma capelinha no meio do nada chama a atenção. E após muita subida uma nova bifurcação. Siga à direita, mas muito cuidado, pois a estrada é muito ruim devido às muitas pedras e erosões.

O final da descida é na mesma estrada do início do passeio. Agora voltando para o local de saída, siga à direita e aproveite este agradável trecho plano. No km 4,40, saia da estrada principal e entre à esquerda, na estrada Maria Simão. Após muitas subidas e algumas bifurcações o circuito termina no local de saída após 14 km. A quilometragem é curta, mas as fortes subidas ao longo do trajeto dão a ideia de ter pedalado o triplo da quilometragem.

Informações

Como chegar: quilômetro 291,5 da Rodovia Régis Bittencourt, a meia hora de São Paulo, fazer o retorno e entrar em direção ao restaurante Colina da Serra – www.colinadaserra.com.br

Onde ficar: Hotel Terras Altas - www.hotelterrasaltas.com.br

Mais dicas de pedalada na região: www.greenbikers.com.br

Planilha do circuito na página: www.sampabikers.com.br/

O Sampa Bikers organiza constantemente pedaladas na região, visite o site www.sampabikers.com.br

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados