O Portal
da Bicicleta

Revista Bicicleta - Edição 39

Assine

Revista Física
Revista Virtual

+bicicleta - Manutenção

Cubos

Revista Bicicleta por Ronaldo Huhm
13/05/2013
Cubos
Foto: Thinkstockphotos

Os cubos são responsáveis por sustentar e permitir a rolagem macia das rodas. Eles podem ser compostos basicamente por duas tecnologias de rolamentos: copo e cone (esferas soltas), ou rolamentos industriais (roletados).

Os tipos mais comuns são:

  • Com porcas.
  • Com blocantes.
  • Com rosca para catraca (roda livre).
  • Cassete.
  • Com sistema de marchas integrado.

Rolamentos

Copo e cone

Possuem pistas de rolagem no corpo do cubo, um eixo com rosca e cones com contraporca para ajuste. Os cubos com copo e cone possuem a característica de permitir o ajuste e lubrificação com muita facilidade. Porém, demandam uma atenção especial ao ajuste, pois, uma vez ajustado com folga ou muito justo poderá danificar as esferas e até mesmo as pistas de rolagem e cônicos. Neste caso, o contra-aperto, a lubrificação com graxa de qualidade e o ajuste das porcas são imprescindíveis para a durabilidade do conjunto.

Rolamentos industriais

Possuem um rolamento tipo “rolimã”, com o qual alguns aventuravam-se em descidas nos bairros. Dependendo da medida do rolamento, pode ser adquirido com facilidade em diversas lojas, o que é uma tremenda comodidade ao mecânico e ao ciclista, porém, a situação pode se complicar quando o rolamento possui uma medida que seja, digamos, “fora do padrão”, ou que não são importados pelo fornecedor dos cubos. Outra característica desse sistema é que para a remoção devida do rolamento para substituição é necessário o uso de um sacador de rolamentos.

Cubos com porcas

Em geral, equipam bicicletas mais econômicas ou específicas, como bicicletas de bicicross ou de velódromo.

Cubos com blocante: esses são extremamente populares hoje em dia! Equipam uma infinidade de bicicletas das mais variadas marcas e modelos, facilitando a vida dos ciclistas por permitir a remoção e instalação das rodas em segundos através de uma alavanca que pressiona o eixo.

Cubos com rosca para catraca (roda livre): são muito comuns e equipam a roda traseira da bicicleta. Nesse caso, o corpo do cubo possui uma rosca do lado direito, em que a catraca é fixada. Uma desvantagem desses cubos é quando se instala uma roda livre múltipla (com marchas): o eixo fica fragilizado devido ao excesso de espaço dentre os pontos de fixação das contraporcas.
 
Cubos com Cassete: esse sistema foi um marco na evolução dos sistemas de rolagem e engate nos anos 70.
Comportando a catraca junto ao cubo numa só peça, a resistência e distribuição da carga é otimizada. Claro que existem diversos modelos e inclusive sistemas diferentes de engates, mas o posicionamento do suporte do eixo no quadro (ponto de impacto) é melhor distribuído, preservando mais o eixo. Além disso, o sistema transformou a “catraca” num “refil”, ou seja, os dentes da catraca - chamada de cassete - podem ser substituídos mantendo o mecanismo de engate que é parte integrante do cubo.

Cubos com sistemas de marcha interna

Extremamente populares em países como Dinamarca, Japão, Holanda e indicados para uso urbano, aos poucos estão se tornando populares aqui no Brasil. São sistemas de engrenagens completamente selados que podem rodar anos sem a necessidade de manutenção. Obviamente, possuem algumas limitações quanto ao número de marchas, que pode variar entre três velocidades nos modelos mais simples até quatorze velocidades em alguns modelos mais sofisticados.

Manutenção

Para otimizar a vida útil dos cubos de sua bicicleta, você deve regularmente desmontar, limpar, engraxar e reajustar o sistema.

Ferramentas e Materiais

Para ajustar os cones você deve ter duas chaves cone especiais para cada tamanho, que geralmente são quatro: 13, 14, 15 e 16 milímetros, e alguns cones não estão abrangidos por esse conjunto. (Entre as exceções estão alguns tipos de cone de cubos Shimano, que exigem 17 chaves mm). Você pode começar com uma chave de cone de cada tamanho e uma chave de boca ou chave inglesa para as porcas, porém, é muito mais fácil fazer o ajuste final se você tiver duas de cada medida.

Limpeza

Para limpar as peças você deve ter uma escova, panos limpos ou toalhas de papel e um desengraxante (siga as instruções do manual do produto). O melhor tipo de desengraxante usa  água de enxágue após a graxa ser dissolvida. Uma ótima opção para desengraxante seria algo como óleo fino em spray,  ou querosene, mas é terrível para remover após a lavagem. Nunca utilize gasolina: é um perigo! Seu vapor pode até causar um incêndio, e use solventes apenas em locais arejados. Alguns solventes não-tóxicos, como solventes cítricos, são eficazes e menos problemáticos. Você também vai precisar de um pouco de graxa.

Procure as graxas mais espessas, o que facilita a montagem pois retém as esferas no lugar enquanto você está instalando o eixo e os cones. Esta graxa será mais durável e resistente à água. Algumas pessoas preferem uma graxa mais fina, que oferece menor arrasto, embora seja menos duradoura. A diferença entre o óleo e a graxa é mais uma diferença de grau. Graxa é óleo muito grosso, óleo lubrificante é muito fino.

Se você usar só óleo, deve re-lubrificar a cada semana ou duas, ou o conjunto pode ser danificado. A diferença pode ser sentida girando o eixo do cubo com os dedos, mas é imperceptível durante o uso. Por outro lado, os rolamentos estão se movendo lentamente no centro da roda e, de qualquer forma, pode ser alterado conforme a viscosidade da graxa. O melhor ajuste de cubos é com o mínimo atrito. Ter as peças de reposição à mão pode economizar muita dor de cabeça.

Desmontagem

Ao remover o eixo, verifique se ele está torto. Remova as porcas e contraporcas do eixo, gire-o e observe se as extremidades estão com alguma avaria.  Caso o eixo esteja torto, isso poderá causar uma oscilação no movimento da roda dificultando o ajuste.

Muitos cubos possuem vedações de borracha que você deve evitar retirar. Caso contrário, poderá danificar e impossibilitar a reinstalação dos retentores.

Evite desmontar o conjunto de porca e cone do lado direito (lado da catraca), pois  é complicado para ajustar e geralmente já vem na medida adequada. Utilize duas chaves uma de cônico (mais fina) e outra de boca ou ajustável, forçando uma contra a outra, liberando ao contra-aperto do eixo.

Em cubos para cassete, o rolamento do lado direito é mais acessível, mas é mais fácil limpá-lo se você remover os pinhões primeiro.

O núcleo do cassete não é fácil de limpar, mas felizmente ele raramente fica sujo, porque os retentores tornam mais difícil a penetração de sujeira. Tenha cuidado para não deixar cair solvente no mecanismo de roda livre ou núcleo do cassete enquanto limpa. Aperte o espaçador do lado direito do eixo firmemente contra a contraporca e cone.

Limpeza

Agora, o mais importante é ter todas as peças limpas e em bom estado. O interior do cubo, o eixo, cones e bolas devem ser limpos. Se você não remover todos os vestígios de solvente, ele vai atacar a nova graxa que você irá instalar mais tarde e todo o procedimento terá que ser feito de novo muito em breve.

Tente limpar a parte interna do cubo com uma chave de fenda longa envolvida com um pano através do cubo. Quando é feito com a escova de dentes, limpe-a com muito cuidado antes de usá-la novamente.

Com as peças limpas, elas devem ser cuidadosamente examinadas para a remontagem. Os cones devem ter uma faixa brilhante ao redor deles, em que as esferas possam rolar. Examine esta pista com muito cuidado para ver se há qualquer irregularidade ou dano. Caso haja qualquer sinal de uma falha, não importa quão pequena, o cone deve ser substituído.

Examine as pistas do cubo da mesma forma. Na maioria dos casos não é possível substituir os copos sem substituir o cubo todo, mas, felizmente, os copos são geralmente as últimas partes a se desgastar. Se o cubo é limpo regularmente, lubrificado e mantido em bom ajuste, os copos devem durar anos!

É prudente a manutenção periódica, pois é muito fácil identificar algum problema na esferas que acarretarão danos ao restante do conjunto no futuro.

Se alguma das esferas tiver tamanho diferente das outras isso acarretará na impossibilidade de ajuste (alinhamento) da roda, pois ela ficará excêntrica devido à variação no cubo.

Remontagem

Se você removeu os retentores, o primeiro passo na remontagem é colocá-los de volta, a menos que eles são retentores de borracha. Pressione suavemente contra o cubo com um martelo, ajustando a posição ao longo da borda externa do corpo do cubo. Depois, aplique uma quantidade razoável de graxa (suficiente para reter as esferas no cubo).

Trabalhando em um cubo traseiro, certifique-se de que o eixo entra da mesma forma que saiu, de modo que a ponta mais longa será para o lado da roda livre.

Agora, feche o outro lado do cubo com o cônico e contraporca, com cuidado para as esferas não encavalarem, aperte a contraporca contra o cônico sempre ajustando (apertando e ou soltando) até que o eixo role macio dentro do cubo.

Rolamentos de esferas tem o ajuste muito simples, mas é provável que demande algum tempo e paciência. Não tenha pressa.

Conferir o ajuste de rolamentos, no caso de cubos, é basicamente verificar quão distantes os cones estão uns dos outros no eixo. Se eles estão muito próximos, vão reter as esferas e será mais difícil girar o eixo. Isso causará muito atrito e as peças se desgastarão prematuramente. Se os cones estão afastados, tudo pode rolar livremente, contudo, não pode haver folga ou jogo no rolamento, senão a roda vai oscilar de um lado para outro como  se estivesse solta. O ideal é encontrar o ponto em que os cones estão soltos o suficiente para que o eixo gire sem folga nem atrito.

Não perca tempo tentando avaliar a folga sem o contra-aperto dos cones, porque quando você apertar a porca de fixação, ele muda o ajuste fino do cone. O que você tem a fazer é tentar diferentes ajustes, verificando cada vez a fricção e a folga.

Uma dica importante: quando se está trabalhando em um cubo com blocante, uma microfolga é necessária, pois quando se aperta o blocante acontece uma compressão de todo o conjunto e isso eliminará a folga inicial que se apresenta com a roda fora do lugar e sem a pressão bilateral.

Gire o eixo várias vezes para ambos os lados a fim de encontrar o melhor ponto de travamento da contraporca. Caso não obtenha o melhor ajuste, mesmo seguindo os procedimentos citados, talvez o seu problema seja relacionado à sujeira nas pistas - até mesmo uma única partícula de poeira pode causar problemas, corrosão nas superfícies de rolamento, eixo torto e cubos de baixa qualidade.

 

Para ler mais matérias da Revista Bicicleta, curta nossa página no Facebook ou siga-nos no Twitter.

Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Publicidade
  • Thule
  • Belumi
  • Bike Plus - Paixão Pela Bike
  • WB Bike - Loja Virtual
Vídeos
Publicidade
Fotos
Foto enviada por: JOSÉ MARCIO
Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados