REVISTA BICICLETA - Dicas para ir de bicicleta ao trabalho
THE POWER OF THE PRO
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

Bicicleta Sense a partir de R$ 2.765,00!
Revista Bicicleta - Edição 68

Assine

Revista Física
Revista Virtual



+bicicleta - Ideias

Dicas para ir de bicicleta ao trabalho

Revista Bicicleta por Anderson Ricardo Schörner / Colaboração: Transporte Ativo
47.214 visualizações
26/03/2015
Dicas para ir de bicicleta ao trabalho
Foto: Monkeybusiness / Depositphotos

Motivos para trocar o carro pela bicicleta para ir trabalhar não faltam. Engarrafamentos transformam os pequenos deslocamentos em verdadeiras viagens; sair da vida sedentária e incluir uma atividade física no dia a dia é outro bom motivo para adotar a bike como meio de transporte: mesmo que o objetivo seja apenas o deslocamento, e não o exercício em si, o fato de estar em movimento ao ar livre traz benefícios duradouros.

Na teoria, tudo perfeito... Na prática, não é bem assim, pois existem desafios e cuidados que devem ser tomados ao usar a bici. Então, acompanhe algumas dicas que podem lhe ajudar a enfrentar os obstáculos nessa mudança ao adotar a bicicleta como veículo para ir ao trabalho.

1. Tome a iniciativa

Você sempre usou o carro pra tudo. E por inúmeras razões: um dia está chovendo, no outro,    tem             
que pas- sar no supermercado, ir ao ban- co ou a uma reunião importante... Mas você não aguenta mais e quer deixar o carro em casa! Como? Tome a iniciativa: convença-se, acostume-se com a ideia e comece a fazer a substituição do carro pela bicicleta aos poucos. Esteja mentalmente preparado para o esforço que o percurso exigirá. Saia da zona de conforto e escolha o melhor para o seu corpo e para a sua mente. Informações sobre os benefícios do uso da bicicleta e sobre o impacto negativo do excesso de carros nas ruas o ajudarão a tomar essa importante iniciativa.

2. Procure outros ciclistas

Conheça outras pessoas que também usam a bicicleta para se locomover. Converse sobre as principais dificuldades que eles enfrentam nas ruas, como eles fazem a escolha do percurso até a empresa, enfim, dê uma polida no seu olhar sobre a bicicleta, com base na experiência de quem já a utiliza. Essas informações serão valiosíssimas para a sua iniciação. Conheça a história de outros ciclistas para se motivar, saiba que existem desafios mas concentre-se sempre nos aspectos positivos.

Respostas para desculpas clássicas

1: Estou fora de forma. Comece com percursos menores em um ritmo leve. Faça um teste no final de semana e pedale até a empresa, sem compromisso de horário. Quanto mais você utilizar a bicicleta, mais rapidamente entrará em forma.

2: É muito demorado. Um ciclista pedala em média a 16 km/h. Em distâncias de até 6 km, em áreas urbanas, a bicicleta é mais rápida do que o carro. Em distâncias mais longas, há que se considerar o fato de já estar realizando um exercício físico durante a locomoção, ou seja, você não precisa chegar em casa e ir para a academia etc.

3: É muito longe. Se achar que não dará conta de pedalar todo o trajeto, considere a ideia de pedalar até a estação de ônibus, metrô, ou até a casa de um colega para pegar carona. Quando se sentir mais confiante, experimente percorrer todo o trajeto: você vai ver que o “gigante” não é tão grande assim.

4: Não há lugar para estacionar a bicicleta. Veja se você pode deixar a bicicleta em um almoxarifado seguro, dentro da empresa, ou usar bicicletários em prédios ou garagens vizinhos. Se houver mais colegas que sentem a necessidade de um bicicletário na empresa, faça um pedido formal ao seu superior.

5: Minha bicicleta é muito velha. Desde que a parte mecânica esteja em ordem, com tudo funcionando, ter uma bike mais antiga pode até ser um ponto positivo, pois ela será menos visada em um roubo do que uma bicicleta top. Independente de qual bike você usa, a manutenção deve estar sempre em dia, para a sua segurança.

3. Atenção à sua saúde

Você começou a olhar com carinho para as magrelas que circulam naquela ciclovia em frente à empresa. Mas alto lá! Antes de sair pedalando como um louco, faça a coisa certa: visite um médico. Uma avaliação clínica geral é importante para orientar a forma correta da prática do exercício e resguardar a sua saúde, sugerindo a intensidade e o volume das atividades de acordo com os seus limites e orientando sobre os cuidados necessários para evitar lesões. * (Leia mais orientações sobre saúde na matéria Tenha uma Smart Atitude!, na edição agosto/2011).

4. Faça um Bike Fit

Com o ok do médico, procure um Fitter e ajuste a sua bicicleta ao seu biótipo, garantindo o conforto necessário para pedalar. Um profissional lhe indicará o posicionamento ideal e a bicicleta adequada para o seu corpo, o que além de saudável, é importante para o seu bem-estar. Isso fará toda a diferença entre você continuar usando a bike, ou desistir pelos incômodos do não ajuste correto.

5. Invista em seu veículo

Agora está quase tudo pronto. Você já decidiu usar a bike, fez os exames médicos e o bike fit. Agora, é hora de investir. Com a orientação do seu Fitter, compre ou adapte a sua bicicleta e os acessórios certos para que o seu status de ciclista perdure sem dores ou ressentimentos. Cuidado, também, com a sua segurança. Compre um bom capacete, luvas, pondere a necessidade de adquirir um alforje e use sempre os itens obrigatórios, que segundo o Código de Trânsito Brasileiro, são a campainha, a sinalização noturna dianteira, traseira, lateral e nos pedais e espelho retrovisor do lado esquerdo. Além disso, é bom ter um suporte para a caramanhola, uma bomba e ferramentas para reparos rápidos. Comprar uma boa bicicleta e bons acessórios não é um gasto, é um investimento - saudável e sustentável. Para diminuir os riscos de ser roubado ou assaltado, uma boa ideia pode ser camuflar a bike, não deixando adesivos da marca à mostra, por exemplo. E quando for à bicicletaria, invista também em um bom cadeado, que pode ser com chave ou segredo e no mínimo irá dificultar o trabalho do ladrão.

6. Compre no lugar certo

Procure sempre especialistas. Nesse caso, procure lojas especializadas com atendentes que também pedalam, que têm conhecimento sobre todos os aspectos que envolvem o uso da bicicleta. Profissionais da área não irão querer empurrar qualquer equipamento: se você for comprar a bike e os acessórios em uma bicicletaria, contará com um atendimento diferenciado, que irá orientar a compra conforme as suas necessidades. Lojas e oficinas organizadas, conhecidas pela qualidade e pela paixão pela bicicleta, são garantia de bom atendimento.

Vantagens em ir trabalhar de bike

Há desvantagens? Sim, como a falta de respeito e de infraestrutura para maior segurança no trânsito, e o “trabalho a mais” com a questão da higiene. Mas analise as seguintes vantagens:
- Economia: de dinheiro, de tempo e até de espaço. Não é preciso abastecer, a manutenção custa muito menos, não há gasto com estacionamento - aliás, não é preciso ficar caçando uma vaga pois o espaço que a bike exige é muito menor. Além disso, em trechos curtos dentro da cidade, você ainda economiza o tempo que ficaria preso no trânsito.
- Condicionamento físico: por ser um transporte ativo, a bike proporciona a prática do exercício físico e isso reflete em sua resistência, em seu peso e saúde em geral.
- Motivação: a endorfina liberada no exercício físico tem impacto também na questão psicológica, pois combate a ansiedade, o estresse e a depressão. Ir ao trabalho vai ser a melhor parte do seu dia e você vai chegar mais disposto e motivado.
- Menos poluição: além da poluição do ar, a poluição sonora das estradas é cada vez mais prejudicial. De bicicleta, você pode escolher caminhos alternativos, menos movimentados: além de ser mais seguro, é um ambiente menos poluído e isso vai te fazer muito bem. E, claro, você não estará poluindo!
- Sociabilidade: a bicicleta é um veículo sociável, porque permite um contato maior com as pessoas e com o meio. Além disso, pedalar é divertido e o bom-humor permite criar contatos mais saudáveis e positivos.
- Trânsito mais seguro: em um carro, se você se distrair (como quando for mudar a estação do rádio ou pegar algo no porta-luvas), ou acontecer algum problema mecânico, você estará colocando a sua vida e a vida de outras pessoas em risco, diferente do que acontece com a bicicleta: claro que você pode cair e se ralar um pouco, mas dificilmente colocará a vida de outra pessoa em risco.

7. Cuidado com a roupa

As novas aquisições te deixaram radiante e você já deve estar testando a bicicleta em pequenos trajetos nas horas de folga. Mas para ir trabalhar, vai precisar tomar cuidado com a roupa usada para pedalar. A primeira questão é usar roupas que te deixam visível no trânsito. Outro ponto é que, mesmo ao andar devagar, é normal transpirar um pouco e, estando ao ar livre, a possibilidade de se sujar é maior. O ideal, então, é ter uma peça de roupa no local de trabalho, ou levá-la em seu alforje. Cobre da sua empresa um lugar específico para guardar a bicicleta, um ambiente adequado para trocar de roupa e até mesmo um chuveiro. Se essa infraestrutura não estiver disponível ainda, uma e-bike pode ser usada para minimizar o problema da transpiração: você pode chegar ao trabalho sem fazer muito esforço e deixar as pedaladas para a volta pra casa. Se o percurso não for muito longo ou o ambiente não exigir muito requinte, você pode até ir pedalando com a roupa de trabalho. 

8. Tenha o controle do seu tempo

A sua relação com a bike está evoluindo e você já a apresentou aos colegas do trabalho. Também percebeu que ao usar a bicicleta, o tempo de deslocamento é muitas vezes mais rápido que o carro, e independe dos congestionamentos das vias, ou seja, você sabe quanto tempo levará para chegar na empresa. Agora, use isso a seu favor. Tenha sempre alguns minutos de folga para se recompor antes de começar a trabalhar, além de ter um tempinho caso um imprevisto acontecer: será a diferença entre começar o dia descontraído ou atropelado. Você também pode impor um ritmo mais lento para se deslocar, a fim de não transpirar tanto. E por último, usar vias secundárias, mais tranquilas para realizar o trajeto, além de mais seguro, pode ser mais rápido e lhe garantir ainda mais tempo: um bem tão escasso hoje em dia.

9. Acompanhe a previsão do tempo

Absolutamente não é legal chegar ao trabalho todo molhado. Crie o hábito de dar uma olhada na previsão do tempo e esquematize um plano emergencial, caso chova. Quando nublar, leve uma capa de chuva e uma roupa específica para o caso da água despencar. Se for possível, deixe uma roupa reserva na empresa. Outra possibilidade é conjugar o percurso com outros modais, escolhendo transportes coletivos com estacionamentos específicos para a bicicleta ou que permitam o seu transporte. Nesse caso, uma bicicleta dobrável te dá mais portabilidade. Não esqueça de ter sempre uns trocados junto, para essas ocasiões. Com o tempo ensolarado, não esqueça do filtro solar e de se hidratar regularmente.

10. Passe a ideia adiante

A barriga diminuiu, o entusiasmo aumentou, você conheceu ruas da sua cidade que nunca tinha visto, ganhou tempo e andar ao ar livre faz você parecer mais vivo. Até o sentimento de estar fazendo a sua parte pelo meio ambiente ficou mais aguçado. Bem-vindo ao clube, parceiro(a). Agora, não seria a hora de incentivar mais pessoas a pedalar? Aproveite a hora do cafezinho para falar sobre os benefícios de usar a bicicleta e elas reforçarão a voz no pedido por mais infraestrutura, tanto pública (ciclovias, estacionamentos públicos seguros, etc.), quanto privada (chuveiro, armários, bicicletário, etc.), tornando a vida de todos os ciclistas mais segura. Você estará tirando mais carros das ruas, auxiliando outras pessoas a despertarem para o uso da bicicleta e isso só enriquecerá ainda mais a sua qualidade de vida.

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
7 comentários.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

João Rodrigo Campos (joaozinho)

02/10/2015 às 13:22

Costumo alternar:

Bicicleta - vou ao trabalho, percorro 20km de casa em Santo André/SP até São Paulo/SP pelo menos 1 vez por semana. (2 horas de viagem)

Intermodal - o normal é eu ir de bicicleta de casa até o bicicletário da CPTM/Trem 6km e completar o restante de transporte público no próprio trem/CPTM. (1 hora e 30 minutos de viagem)

Cicloabraços - Joãozinho

Rodrigo Gnçalves

27/06/2014 às 16:16

E para aqueles que precisam de um espaço para estacionar a bicicleta, com seguro, coberto, e além disso onde você possa tomar um bom banho e se trocar para ir trabalhar, está aberto na região da av. Luis Carlos Berrini (Zona Sul de SP) o Dress me Up! Bike point para reunir aqueles que querem ir para o trabalho de bicicleta, skate, patins, patinete, correndo,... Comece bem o dia praticando esportes sem se preocupar com o suor, por que aqui você poderá tomar um bom banho!

Marcelo Lagoa de Almeida

29/06/2013 às 11:41

Todos os dias faço um percurso de 5Kms. entre a minha casa e o trabalho. Apesar de possuir carro, sempre vou de bike, faça chuva ou faça sol. Recentemente instalei um kit de transmissão Shimano e a coroa foi incompatível com o protetor (aquele anel parafusado na coroa, que evita a barra da calça enroscar nos dentes). O mecânico sugeriu instalar um "porta-corrente" mas eu achei que ficaria feio, não combinaria com o modelo da minha bike. Aí eu tive uma ideia (e vou deixar aqui a dica, para quem tem o mesmo problema) Mandei fazer uma tira de couro de aprox. 20cm x 04cm com velcro costurado nas pontas. É uma "tornozeleira" de couro, muito prático e seguro. Antes de pedalar, instalo-a em volta do tornozelo, por fora da barra da calça. Assim, resolvi o problema dos dentes enroscando na barra da calça e diminui os riscos de queda/acidente. Com velcro, a instalação da tornozeleira se tornou prática, muito rápida. Esteticamente não é bonito. Mas é bem melhor que o porta-cor

Edson Luiz Foletto

28/03/2013 às 23:53

Rafael. Eu moro em Brasília/DF e desde criança sempre gostei de pedalar. Após muito tempo, retornei a pedalar e tanto quanto você, eu suava muito. Sentia-me ruim com essa situação e corria para o chuveiro. Mas, com insistência isto deixou de existir. Hoje, eu me sinto bem, mesmo estando suado e não dou a mínima para a situação. Chego no trabalho com o sorriso estampado no rosto de tão gostoso que é andar de bike. Não uso roupa de ciclista para ir ao trabalho. Uso calça de tactel, camisa de algodão, meia e tênis. Sei que é ruim vestir a roupa suada e com mau cheiro antes de retornar para casa. É desagradável. Ao chegar no trabalho, tente lavá-la com água corrente e deixá-la secando em lugar ventilado. Mesmo úmida, será mais tranquilo vesti-la, pois você irá suá-la novamente. Não esquente com isto. Importe-se com sua saúde. A distância que percorro casa/trabalho, também gira nos 7 Km - ida e volta fica nos 14Km. Bom demais.

Ana Hungria

01/03/2013 às 23:45

Rafael, venho pedalando a um ano para o trabalho, são cerca de 7km ida e 07 volta. No início ficava suada. Com o tempo parei de suar em excesso. Mesmo nos dias muito quentes (moro no RJ), ainda que chegue um pouco suada, é o mesmo suor que eu teria para andar do Metrô até o escritório, nada que lavar o rosto não resolva. Insista, no início o organismo produz mais suor, principalmente se vc for sedentário, mas com pouco tempo o corpo se adapta. Não desista que ser ciclista é muito bom!

Rafael Varela

15/02/2013 às 13:48

eu não tive problema no percurso, mas cheguei mt suado e mesmo trocando de roupa ainda fiquei suado. Na volta tive que vestir a roupa suada da manhã, bem desagradável. Em geral esse assunto da roupa e suor são pouco abordados. Sugiro mais artigos nesse sentido. Obrigado e bom trabalho, o site é ótimo

Rodrigo Gonçalves

14/02/2013 às 13:58

Conheco alguns ciclistas que vão trabalhar com as respectivas bikes. Entretanto, nunca vi uma pesquisa que mostre qual a região (bairro) em São Paulo que mostre onde os ciclistas trabalham. Ou temos?
Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados