REVISTA BICICLETA - Desculpe meu amigo, eu não vi você!
THE POWER OF THE PRO
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

Bicicleta Sense a partir de R$ 2.765,00!
Revista Bicicleta - Edição 67

Assine

Revista Física
Revista Virtual



+bicicleta - Mobilidade - Segurança

Desculpe meu amigo, eu não vi você!

Desculpe amigo, eu não vi você. Essa é uma frase pronta usada por motoristas em todo o lugar. Seriam estes motoristas descuidados e perigosos, ou eles realmente não viram você?

Revista Bicicleta por Publicado originalmente por Andreas, em www.londoncyclist.co.uk Adaptado por Artur Berberian Filho
35.889 visualizações
13/08/2013
Desculpe meu amigo, eu não vi você!
Foto: Comstock Images;

De acordo com um relatório de John Sullivan, da RAF (Royal Air Force, ou Força Área Real da Grã-Bretanha), a resposta pode ter repercussões importantes para a forma de treinar motoristas e para que os ciclistas andem seguros nas ruas.

John Sullivan é um piloto com mais de 4.000 horas de vôo em sua carreira e além de ser um ciclista entusiasta ele também é um investigador de acidentes. “Pilotos têm que lidar com velocidades de mais de 1.600 km/h. Quaisquer falhas são analisadas de perto para extrair lições que podem ser de uso diário”, diz John.

Nossos olhos não foram projetados para dirigir

Nossos olhos, e da maneira que nosso cérebro processa as imagens que eles recebem, são muito adequados para desviarmos de um animal correndo ou que esteja em nosso caminho em baixa velocidade.

Mas estas ameaças estão em grande parte desaparecendo e foram substituídas por veículos viajando em nossa direção em altas velocidades. E para isso, nós ainda não estamos adaptados para lidar.

Por que?

A luz entra nos nossos olhos e cai sobre a retina. Em seguida, é convertida em impulsos elétricos, que o cérebro percebe como imagens. Apenas uma pequena parte da sua retina, o bit chamado centro da fóvea, pode gerar uma imagem de alta resolução. É por isso que temos de olhar diretamente para alguma coisa, para ver detalhes.

O restante da retina não reflete imagem de alta resolução, mas contribui adicionando a visão periférica. No entanto, apenas 20 graus longe de sua linha de visão, sua acuidade visual é de cerca de 1/10 do que é no centro.

Tente fazer este teste e veja a quantidade de detalhes que você perde em sua visão periférica:

1. Fique a 10 metros de distância de um carro.
2. Mova os olhos e olhe apenas a largura do carro para a direita ou para a esquerda.
3. Fixando o seu olhar na esquerda ou na direita, tente ler os números da placa do carro.
4. Tente novamente o teste a 5 metros de distância.

O teste mostra muito bem como os pequenos detalhes não são capturados pelos olhos. Isso não quer dizer que não podemos ver algo em nossa visão periférica - é claro que podemos! Quando você se aproxima de um cruzamento, você perceberia rapidamente um caminhão enorme que está se aproximando, mesmo com o canto do olho – obviamente sendo um  objeto maior, o mais provável é vê-lo. Mas você poderia ver uma moto ou um ciclista?

Para ter uma boa chance de ver um objeto em rota de colisão, precisamos mover nossos olhos e, provavelmente, a cabeça, para trazer o objeto para o centro da nossa visão - para que possamos usar a nossa visão de alta resolução da nossa fóvea para resolver o detalhe.

Quando você move sua cabeça e olhos para digitalizar uma cena, seus olhos são incapazes de mover-se suavemente e registrar tudo. Em vez disso, você pode ver na imagem em uma série de saltos muito rápidos com pausas muito curtas e é só durante as pausas que uma imagem é processada.

Seu cérebro preenche as lacunas com uma combinação de visão periférica e uma suposição de que o que está nas lacunas deve ser o mesmo que o que se vê durante as pausas.

Isso pode parecer loucura, mas, na verdade, seu cérebro bloqueia a imagem que está sendo recebida, enquanto seus olhos estão se movendo. É por isso que você não vê o tipo de imagem borrada, que você vê quando olha para o lado de fora de uma janela do trem. A única exceção a isso é se você quiser acompanhar um objeto em movimento.

Outro teste para fazer, se você não está convencido:

1. Olhe para um espelho.
2. Olhe repetidamente de seu olho direito para seu olho esquerdo.
3. Você pode ver seus olhos se movendo? Você não pode.
4. Repita o teste com um amigo e repare. Você vai ver os olhos dele se movendo muito acentuadamente.

Você não pode ver os seus próprios olhos se moverem porque seu cérebro desliga a imagem no instante em que seus olhos estão se movendo. 

No passado, isso serviu-nos bem. Isso significava que podíamos nos aproximar de animais sem que o nosso cérebro fosse sobrecarregado por detalhes desnecessários e muitas imagens desfocadas inúteis.

No entanto, o que acontece quando o sistema é colocado em uso em uma situação moderna, como um cruzamento de tráfego? Por que perdemos motos e bicicletas?

Em um cruzamento de tráfego todos, até o pior dos motoristas, vai olhar em ambas as direções para verificar o tráfego. No entanto, é perfeitamente possível para os nossos olhos "pular" uma bicicleta ou uma moto que se aproxima. Quanto menor for o veículo, maior será a probabilidade de ser despercebido.

Isto não é caso de um motorista descuidado, é uma incapacidade humana de não ver durante uma observação muito rápida. Daí a razão para tantos "Desculpe amigo, eu não vi você".

Quanto mais rápido você move sua cabeça, maiores os saltos e menor as pausas de imagens. Portanto, você tem mais uma chance de “perder” um veículo. Além disso, temos ainda o ponto cego. 

Mas não utilizamos a visão isoladamente, mas sim em conjunto com outros sentidos. Nossos ouvidos podem nos ajudar a construir uma imagem de nosso entorno. No entanto, dentro de nossos carros ou com música, o nosso cérebro se distrai de outro sentido útil. Além disso, as bicicletas são quase completamente silenciosas, principalmente para condutores de automóveis.

Como os acidentes acontecem

Vamos dizer que você está dirigindo. Você se aproxima de um cruzamento e percebe que não há tráfego. Você olha para a esquerda e direita e segue em frente. De repente, você ouve um barulho de freiada e uma buzinada, e como num piscar de olhos surge uma moto na frente de você, evitando por pouco um acidente.

O que aconteceu? Em sua abordagem, você não podia ver que havia outro veículo em rota de colisão. Com a falta de movimento relativo para a sua visão periférica para detectar e sendo o veículo potencialmente escondido por estar perto da coluna da porta, você o perdeu inteiramente.

Embalado em uma falsa sensação de segurança, você olhou rapidamente para a direita e para a esquerda e para evitar segurar o tráfego atrás de você, seus olhos “pularam” o veículo que se aproximava, especialmente por que ainda estava perto da coluna da porta ou no cantinho do para-brisas. O resto da estrada estava vazio e este foi o cenário que o seu cérebro usou para preencher as lacunas! Assustador, não?

Você não estava sendo desatento - mas você estava sendo ineficaz. Além disso, se você não leva em consideração que um ciclista pode estar andando pela via pública, é muito provável que o seu cérebro “pule” esta possibilidade e monte uma paisagem vazia.

Agora que você foi avisado, o que pode fazer?

Homem prevenido vale por dois, então, aqui vão algumas orientações do que podemos fazer:

Motoristas:

  • Reduza a velocidade na aproximação de uma rotatória ou cruzamento. Mesmo que a via pareça vazia. Alterar a velocidade vai permitir que você veja os veículos que seriam invisíveis para você.
  • Um olhar nunca é o suficiente. Você precisa ser tão metódico e deliberado como um piloto de caça seria. Concentre- se em pelo menos três pontos diferentes ao longo da estrada para a direita e esquerda. Observe de perto, meia-distância e de longe. Com a prática, isso pode ser feito rapidamente, e cada pausa é apenas por uma fração de segundo. Pilotos chamam isso de "vigia scan" e é vital para a sua sobrevivência.
  • Sempre olhar fixo e repetir pelo menos duas vezes. Isto dobra a sua chance de ver um veículo.
  • Dê uma olhada ao lado dos pilares do para-brisas. Melhor ainda, se incline um pouco para a direita e esquerda, de modo que você esteja  olhando ao redor da janela da porta. 
  • Limpe sua trajetória de vôo! Ao mudar de faixa, verifique seus espelhos e como uma última verificação, olhe diretamente para o local, que está indo para a manobra.
  • Dirija com as luzes acesas. Veículos ou roupas brilhantes são sempre mais fáceis de detectar do que as cores escuras que não contrastam com uma cena.
  • É especialmente difícil detectar bicicletas, motos e pedestres durante as condições de sol baixo.
  • Mantenha o seu para-brisas limpo.
  • Por fim, não seja um distraído - se você está olhando para o seu telefone celular, então você é incapaz de ver muito mais. Não só você está, provavelmente, olhando para baixo em seu colo, mas seus olhos estão focados em menos de um metro e todos os objetos à distância estarão fora de foco. Mesmo quando você olhar para cima e para fora, leva uma fração de segundo para os seus olhos se ajustarem - este é o tempo que você pode não ter.

Ciclistas e motociclistas:

  • Reconhecer o risco de serem “pulados” pela percepção dos motoristas. Roupas de alto contraste e luzes ajudam. Em particular, luzes de LED (frontal e traseira) são especialmente eficazes para ciclistas, pois criam o contraste e atraem a visão periférica da mesma maneira que o movimento faz. Não há nada de errado em usar estes durante o dia. 
  • Ao se aproximar de um cruzamento, olhe nos olhos do motorista e tenha a certeza que ele o viu. Saiba que se você não olhar nos olhos dele, a probabilidade de ele te “pular” é maior, e então o deixe ir primeiro.
  • Reconhecer que, com um sol baixo, um para-brisas sujo ou com uma chuva, os motoristas são susceptíveis de ter menos  chance de vê-lo.
  • Guias de ciclismo vêm dizendo há anos: Ande em uma posição mais longe do meio-fio onde é mais provável um motorista perceber você. 

O que devemos fazer com a nossa fraqueza humana? Descobertas como a de John Sullivan e sugestões são excelentes. No entanto, eles dependem de mudança de hábitos bem incorporados. “Pessoalmente, creio que, ao contrário de pilotos da RAF, é muito improvável que um motorista mude o seu comportamento. Portanto, eu diria que esta é outra razão pela qual se deve investir na construção de segurança para nossas vias, com infraestrutura ciclística no estilo holandês", diz John.

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados