REVISTA BICICLETA - Da Bomb Tsar Bomba
THE POWER OF THE PRO
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

Bicicleta Sense a partir de R$ 2.765,00!
Revista Bicicleta - Edição 68

Assine

Revista Física
Revista Virtual



+bicicleta - Testes - Bicicletas

Da Bomb Tsar Bomba

Revista Bicicleta por Pedro Cury
34.825 visualizações
04/12/2012
Da Bomb Tsar Bomba
Foto: Pedro Cury

Da Bomb é uma empresa de Taiwan com 12 anos de experiência na construção de bikes de diversas modalidades, mas com uma atenção especial às bikes mais extremas. Seu último lançamento, o quadro de downhill Tsar Bomba oferece tecnologias modernas em nível competitivo. Para testar o quadro, usamos uma montagem com peças de competição que foram usadas por toda temporada 2011.

A Bike

O quadro traz tecnologias e detalhes avançados para o uso exclusivamente no downhill e freeride. O sistema de suspensão é batizado pela empresa de Stable Multi-Bar Linkage, que consiste de um pivô único, assistido por um link, o que promete sensibilidade na leitura do terreno, maior progressividade e redução no efeito contrário no pedal (bob). O sistema é usado em conjunto com um amortecedor X-Fusion Vector RC, o segundo mais avançado da linha, que conta com controle externo de retorno e compressão de baixa velocidade.

Os tubos do quadro são hidroformados e usinados em CNC, oferecendo maior resistência, rigidez e menor peso. O tubo de direção é cônico, ampliando o uso com suspensões single-crown, e já vem com caixa de direção, que é integrada. O encaixe de freio é post-mount para rotores de 200 mm, dispensando o uso de adaptadores. Já o encaixe do câmbio traseiro também é localizado de forma estratégica fazendo com que o câmbio esteja mais protegido pelo tubo de corrente. Para aumentar a rigidez traseira, como é de costume nos quadros de downhill, o eixo traseiro é de 150 x 12 mm. Para completar, o quadro conta com encaixe de guia de corrente padrão I.S.C.G. 05 já integrado ao quadro.

A geometria é totalmente voltada para downhill competitivo, contando com um tubo de corrente de 438 mm e entre-eixos de 1162 mm, um pouco mais curto que de outros quadros de downhill e ângulo de direção de 64.5 graus, que favorece o comportamento da bike em terreno inclinado e curvas em velocidade. Esteticamente o quadro chama atenção com os detalhes usinados, especialmente na junção do tubo de selim com os outros tubos, onde há diversos furos para redução de peso e o logotipo da marca usinado no alumínio.

A suspensão dianteira é uma Marzocchi Bomber 888 RC2X VA, double-crown, com eixo de 20 mm, que conta com 200 mm de curso, ajuste de fim de curso, ajuste de retorno e ajuste também da compressão geral.

As rodas são montadas com cubos Hope Pro 2, em aros Sun Ringle MTX33 e com pneus Maxxis Minion DH composto 60a. Para freá-las, são usados os Hayes Stroker Trail com rotores de 200 mm.

No cockpit temos avanço integrado Marzocchi, com guidão Sunline V1 OS, canote Da Bomb Hellfire XC e selim Velo Pronto FTT.

A transmissão é composta por câmbio traseiro Shimano Saint, passador Shimano XT, pedivela Truvativ Holzfeller, cassete Shimano Saint, guia de corrente Da Bomb e coroa MOB. Por ser de downhill, a bike possui apenas uma coroa, sem necessidade de câmbio dianteiro.

O Teste

Convidamos para testar o quadro, o piloto Rafael de Paula, que é tri-campeão da Copa SP de downhill e campeão paulista de downhill. A bike já estava sendo usada pelo piloto no início da temporada e até passou por alguns refinamentos. Testamos em uma pista de downhill bem tradicional de São Paulo, com todos os tipos de obstáculos.

O que mais se nota na bike é a sensibilidade de leitura do terreno para pequenos impactos, que é uma característica esperada de sistemas mono-pivô. Impactos pequenos para moderados são muito bem amortecidos, sem incomodar muito o piloto.

Em curvas de alta, a bike traz confiança. O ângulo de direção de 64.5 favorece esta característica, estando na média de outros quadros, sem ser tão inclinado e nem tão “em pé”, o que é interessante para a maioria das pistas brasileiras que não costumam ser muito inclinadas e rápidas como as do exterior. Ao mesmo tempo, o entre-eixos um pouco mais curto que de outros modelos, ajuda curvas menos velozes. Essa mesma característica deixa também a bike mais arisca, sendo uma vantagem para pilotos mais experientes, mas podendo ser menos estável para iniciantes.

Em situações mais técnicas, com maiores obstáculos, a bike mostrou uma falta de progressividade no amortecimento, chegando ao fim de curso com mais facilidade do que o esperado. Essa característica poderia ser eliminada com o uso de outro amortecedor, que tenha um controle de fim de curso ou de impactos de alta velocidade. Esse problema foi resolvido pelo piloto com a modificação interna do amortecedor por um especialista, precisando testes e reajustes para deixar da maneira correta.

Pedalando, a bike não apresentou efeitos perceptíveis do amortecimento nos pedais (bob) e teve um bom redimento. O tubo de corrente mais curto também favorece essa característica. Os componentes montados, em geral, tiveram bom redimento. O freio Hayes Stroker Trail que já criticamos em outros testes, teve um desempenho bem melhor, ficando atrás apenas de freios específicos para downhill. Os pneus Maxxis, específicos para a modalidade, mostraram porque são uns dos preferidos pelos pilotos, oferecendo ótimo desempenho para as diversas situações.

Conclusão

A Tsar Bomba mostrou que não é apenas uma bike bonita, mas que oferece diversas características buscadas pelo pessoal do downhill. Os pequenos detalhes do quadro a deixa competitiva com os grandes nomes do mercado. O funcionamento sensível e geometria voltada para competição são os maiores atrativos do quadro. A falta de progressividade na configuração original fica como o grande ponto negativo, que vai precisar que o piloto faça modificações e ajustes finos no amortecedor. A falta de outros tamanhos do quadro também limita o uso por pilotos que fogem da estatura média.

Prós

• Geometria de competição
• Amortecimento sensível
• Construção robusta e rígida

Contras

• Falta de progressividade final
• Apenas tamanho 16"

Garantia e Investimentos

A Da Bomb dá garantia de 12 meses para o quadro. O preço sugerido, somente para o quadro com o amortecedor, é de R$ 6.000. O importador oficial da marca no Brasil é a Scitex: www.scitex.com.br e o site da marca é www.dabombbike.com.

Sapatilha Shimano DX, camisa Da Bomb, bermuda Troy Lee Designs, joelheira 661 Kyle Strait, capacete Giro Remedy, óculos Spy, luvas Royal Racing.

Ficha Técnica

Susp. Diant: Marzocchi Bomber 888 RC2X VA
Susp. Tras: X-Fusion Vector RC
Cx. Dir.: Da Bomb Depth Reducer Bottom (incluida)
Quadro: Tsar Bomba, alumínio 7005 com I.S.C.G. 05
Avanço - Marzocchi, integrado
Guidão - Sunline V1 OS
Freios - Hayes Stroker Trail c/ rotores 200mm
Passador - Shimano XT
Câmbio Tras - Shimano Saint
Pedivela - Truvativ Holzfeller
Aros - Sun Ringle MTX33
Cubos - Hope Pro 2
Cassette - Shimano Saint
Corrente - Shimano XTR
Coroa - MOB
Guia de corrente - Da Bomb
Pneus - Maxxis Minion DH
Canote - Da Bomb Hellfire XC
Selim - Velo Pronto FTT
Pedais - Shimano DX
Mov. Central - Da Bomb, 83mm (incluido)

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados