REVISTA BICICLETA - Corremos o mundo em busca de aventura... E ela está aqui mesmo, no Brasil
Baixe Gratuitamente a Edição Digital de Janeiro / Fevereiro 2017 da Revista Bicicleta!
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

SHIMANO
Revista Bicicleta - Edição 70

Assine

Revista Física
Revista Virtual



+bicicleta - Roteiros

Corremos o mundo em busca de aventura... E ela está aqui mesmo, no Brasil

Recomendo que você leia este artigo ouvindo músicas clássicas do Brasil. Sua mente se voltará facilmente para esta aventura no coração de Ouro Preto.

Por Revista Bicicleta
637 visualizações
13/03/2017
Corremos o mundo em busca de aventura... E ela está aqui mesmo, no Brasil

Saltar para um barco a vela sem rota, plano ou mapas precisos é bastante semelhante a esta viagem. Sobreviver à alfândega já é um quebra-cabeça, mas pelo menos eu entendo cada palavra que dizem. O estilo de vida de Bernardo no Brasil corre em um ritmo completamente diferente do que eu estou acostumado na Europa e ele admite que, na verdade, ele faz isso se divertindo. Em minha chegada, achei que Bernardo está atualmente construindo sua casa dos sonhos em Itabirito, no topo de uma montanha com apenas uma estrada enlameada de acesso, “longe de tudo”, como ele diz; tocando uma pizaria em Cachoeira do Campo, e treinando para a temporada de downhill. De vez em quando temos que mudar os planos porque não há mussarela suficiente na pizzaria, ou não há água suficiente, tijolos ou areia no canteiro de obras. “Este é o Brasil, meu amigo... Não há nenhum plano, nenhuma agenda”, diz ele, à medida que divergem de um passeio de bicicleta para ajudar um amigo que bateu seu carro em uma cerca, ainda sem saber como isso aconteceu.

O sentimento de não ter o controle de tudo começou a me assustar! "Onde está a rotina? Para onde estamos indo? Onde está a trilha?! Por que estamos parando? Quem é esse cara ?!" Até o final desta aventura selvagem eu já estava sentindo falta do desconhecido. Não saber o que vai acontecer a seguir é realmente uma maneira muito interessante de viver.

O Caminho do Ouro

O Brasil não me deu qualquer chance de ficar na cama. As manhãs começam assim que as primeiras aves selvagens cantam lá fora, uma sinfonia de sons diretamente do coração da floresta, no centro da selva, ouvidas da porta da frente do nosso alojamento em Cachoeira do Campo. Eu também pude ouvir uma música brasileira familiar vinda do fundo, com a letra de Jorge Ben Jor, "Moro num país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza" - uma canção clássica que tem um significado mais profundo quando você está realmente vivendo em uma selva por um par de dias. Artur e Débora, os donos da casa e amigos de Bernardo, me receberam com um sorriso, uma xícara de café forte e quente e frutinhas doces, chamadas aqui de pitangas. Às seis da manhã eles já estavam me desafiando para um jogo de peteca em seu quintal, um jogo tradicional brasileiro jogado com uma peteca de mão de origens indígenas e a fama de ser tão antiga quanto o país. Sim, eu tive o meu traseiro chutado na peteca.

Como deixamos Cachoeira do Campo, ziguezagueando entre estradas estreitas e esburacadas, notei que Bernardo é um personagem bem conhecido na área, acenando para lá e para cá enquanto as pessoas gritavam palavras amigáveis, buzinando aqui e ali. Gilzano, um senhor simpático que aluga uma garagem humilde, mas nunca cobra um centavo; Zoi, amigo de velhos tempos que me conta como Bernardo ganhou cada corrida de downhill; Juliano, com seu chapéu de camuflagem e um par de shorts jeans rasgados que me chama de Portuga - abreviatura para português. Todo mundo parece se conhecer e todos vivem em um ritmo que eu me esforço para acompanhar. Assim que chegamos de um off-road, Bernardo tratou de aumentar o volume do rádio com algumas músicas clássicas brasileiras, fazendo um sonoro passeio de carro como uma festa em movimento. Em um par de minutos, estávamos literalmente no meio do nada. Não há uma casa, estrada ou edifício à vista, apenas uma pura e selvagem paisagem natural. O verde da selva maciça é apenas interrompido por algumas árvores de Ipê altas e roxas. "Eu sei que sou um pouco suspeito para dizer isto, eu nasci aqui, mas este é o lugar mais bonito do planeta", orgulhosamente admite Bernardo. Eu concordo. É muito mágico para mim estar no outro lado do Atlântico e ainda me sentir em casa.

Agora já estávamos andando numa estrada mais larga, em Pedra de Amolar, e logo abaixo, a uns 1.300 metros de altitude, Bernardo vira à esquerda em um singletrack. Na entrada há um grande marco de madeira que define um cruzamento entre “Caminho do Diamante”, que vem de Diamantina, e “Caminho Velho”, que vai de Ouro Preto a Paraty. O Caminho Velho foi a primeira rota aberta oficialmente pela Coroa Portuguesa para ligar a costa brasileira com a região produtora de ouro no coração das selvas de Minas Gerais. Há também um 'novo caminho' que liga Ouro Preto ao Rio de Janeiro. No total, o Caminho Velho tem cerca de 710 km de singletracks e estradas, uma rota da corrida do ouro e da riqueza inimaginável: sofrimento, dor e escravidão, tudo em nome da ganância.

O singletrack começa a ficar mais estreito e Bernardo de repente põe a bicicleta em suas costas e começa a subir. "Ei, onde está o caminho?", eu me esforço para caminhar entre a grama mais alta que eu, tentando me manter no ritmo. "Siga meus passos e você vai sobreviver. Basta ter cuidado com as jararacas. Eles costumam atacar os caras mais lentos!" - ele responde. "Jararaca é uma cobra jararaca ... No caso de você estar querendo saber". Em um par de quilômetros de subida, eu entendo o quão difícil vai ser. Sobreviver à seção de subidas já é um desafio. Diz-se que mais de 1.500 kg de ouro ‘percorreram’ este caminho e chegaram à Europa no final do Século XVII. Vergonhosamente, estou lutando com o meu ego e cada bit de natureza que rodeia estra trilha para levar minha bicicleta, um sanduíche e dois litros de água. Cada novo passo da trilha fica mais íngreme até que se torna quase vertical. Cada gota de suor tem valor nesta fuga. Há muita história para deixar meu corpo assumir. Assim que chegássemos aos 1.585 metros de altitude, as vistas fariam tudo valer a pena. O singletrack que rola para cima e para baixo em um cume interminável entre São Bartolomeu e Ouro Branco não está perfeitamente definido, nunca foi. Ainda é áspero, violento, físico - o mesmo que há trezentos anos.

Atravessamos uma cerca de arame farpado enferrujado que foi usado pelos agricultores há muito tempo, agora danificado e destruído pelo tempo, esquecido. No final de cada corrida subindo até o topo da próxima colina paramos, em silêncio absoluto. Eu tentava voltar no tempo, imaginando os sons de pás e enxadas torturando esta terra; senhorios e aventureiros sonhando com a pedra preciosa. Ouro Preto ganhou o nome por causa de sua não tão dourada pedra e costumava ser a cidade mais populosa da América do Sul no século XVIII. Eu imagino todas as pequenas pedras preciosas que ainda estão perdidas nesta paisagem e espero que elas nunca sejam encontradas. Deixe-as ficar onde foram criadas, perto de núcleo da Terra, na escuridão do desconhecido, esculpidas nestas montanhas.

Fechando metade da nossa viagem, cruzamos centenas de pedras gigantes arquitetonicamente posicionadas que juntas formam o Caminho de Escravos. Ainda estou espantado sobre como eles se moviam e perfeitamente colocavam todas essas rochas, a fim de facilitar a "caminhada da vergonha" do ouro. Ao longo da trilha também existem muros altos de 10 metros que fixam o curso inteiro, às vezes no lado esquerdo, às vezes no lado direito. Uma mistura de ação humana e de paisagem natural abençoada que nos rodeia todo o caminho até a montanha. “Esta é apenas a ponta do iceberg, a 12 km, porque há mais de 1.500 km de estradas imperiais nesta parte do Brasil. Você ainda quer ir para o Rio de Janeiro de bicicleta? Nós podemos partir amanhã de manhã?” - pergunta Bernardo , brincando sobre como eu estou suado. “Talvez na próxima vez”, eu penso comigo mesmo.

O terreno mudou rapidamente de rochas lisas para singletracks de areia branca de pedras em cristais. “Como isso não é valioso ?!”, pergunto para Bernardo, enquanto de joelhos as rochas transparentes brancas recebem um olhar mais atento. “Bem, há um monte desses aqui. Para nós isso são só ... rochas”, ele responde inocentemente. “Elas parecem muito preciosas para mim, cara!”, eu digo, espantado com os tons estranhos e olhar caleidoscópico.

Após a última subida do dia, Bernardo fez um desvio do caminho antigo para o vale, voando sobre a seção mais íngreme e mais difícil da trilha até a casa de seus pais, onde ele nasceu, na Serra do Siqueira. Mais tarde descobri que depois da escola Bernardo empurrava sua bicicleta sobre a maior colina e descia. O que me espantou ainda mais foi a quantidade de borboletas de todo o tipo de padrões, tamanhos e cores que me seguiam pela trilha, adicionando um sorriso ao meu rosto nesta aventura épica. Nós finalmente chegamos à casa dos pais de Bernardo para tomar suco de caju e comer um abacaxi fresco e caquís, uma deliciosa fruta vermelha, tudo colhido de seu próprio jardim. Estes sabores me deram energia suficiente para sobreviver mais um dia no Brasil e desejar mais. Marisa, a mãe de Bernardo, me tratava como seu próprio filho, orgulhosamente falando de natureza única do Brasil. “Bernardo é muito rápido para mim...”, eu digo. “Você sabe o que dizemos aqui no Brasil, Antonio? Uma galinha que segue um pato se afoga”. Nós todos rimos.

Ouro Preto: Cachoeiras e Açaí

À medida que descia outro singletrack épico, lutando entre a alta grama e pequenos mosquitos irritantes, um ruído específico chamou a atenção. Um enorme comboio dirigia-se lentamente entre montanhas e cumes de Ouro Preto, carregando toneladas de minério de ferro. Eram mais de 50 carruagens e sem fim à vista. A riqueza do Brasil vem de dentro dessas montanhas onde estávamos, mas, infelizmente, uma grande parte dessa riqueza não permanece no país, pelo menos não para o seu povo. Bernardo não me deixava parar para pensar sobre essas questões, já que ele me obrigava a ir em frente enquanto cantava: “Eu tenho orgulho da minha cor, do meu cabelo e do meu nariz. Sou assim e sou feliz. Índio, caboclo, cafuso, criolo! Sou brasileiro!” O ritmo era contagiante, o desafio era delicioso.

Durante toda a manhã, passeamos através de uma enorme sauna ao ar livre onde o sol queimou a nossa pele e a chuva pesada persistiu. A umidade é o rei por aqui, mas de acordo com Bernardo há uma surpresa no final da trilha. Um singletrack de oito quilômetros, bastante semelhante ao das trilhas dos dias anteriores, nos manteve no caminho para chegar ao Parque das Andorinhas, uma reserva natural. Se você acampar nesse local encontrará algumas das mais belas cachoeiras do Brasil. Até aquele momento eu não sabia como eram essas cachoeiras, mas foi definitivamente algo realmente especial ver como todo morador que cruzou o meu caminho falou sempre entusiasticamente sobre isso. Bernardo, em seguida, mostrou-me a Pedra do Jacaré, uma rocha vertiginosa na borda de um penhasco, bastante semelhante a uma cabeça de jacaré - apenas para os corajosos. Em seguida, empurramos nossas bicicletas para o outro lado do penhasco, seguindo uma trilha íngreme e técnica. “Deixe a bicicleta aqui e venha comigo”, disse ele andando através de algumas das maiores pedras que eu já vi. Não há setas, direções ou caminho definido, mas nós certamente andamos no núcleo da Terra. Eu comecei a segui-lo, me agachando sob as rochas tentando olhar para a frente, curioso sobre onde nós estávamos indo. Em um ponto os meus ombros quase não se encaixaram e nós tivemos que rastejar na escuridão. O que me manteve em movimento para a frente foi o som abissal de uma cachoeira, minha curiosidade e minha confiança em Bernardo. Finalmente, pude levantar novamente. A luz entrava na caverna através de pequenas fendas entre pedregulhos, dez metros acima de nós. Fiquei sem palavras, girei sobre mim mesmo, olhando para cima e para baixo, tentando absorver toda essa informação. Bernardo apontou, então, para uma escada de metal que nos levou ainda mais para baixo para a cascata. “Tire os sapatos, meias e camisa, a viagem ainda não acabou”, sua voz ecoou em toda a galeria de rochas e suprimiu todos os sons. Quando os meus pés tocam a água pura e fresca eu voltei a viver o nosso passeio de manhã novamente. Eu, então, voltei a andar na escuridão indo para a cachoeira poderosa, uma ducha natural diretamente da natureza, agarrando o musgo verde nas paredes da caverna. Eu me senti mais leve, fresco, abençoado e revitalizado. “É por isso que eu não posso mudar para o exterior, eu sempre acabo aqui. Eu pertenço a este lugar”, diz Bernardo. “Por que você está sorrindo, menino gordo?”, ele me pergunta. “Não tenho palavras para descrever este momento”.

Em alguns minutos voltamos às bicicletas, empurrando-as até a trilha que me levou para a experiência mais bonita que eu já vivi - um paraíso por descobrir que apenas os moradores conhecem. Nosso destino final é Ouro Preto, Patrimônio da Humanidade, uma cidade de numerosas igrejas, muito famosas por sua arte sacra e arquitetura barroca. Honestamente, parece que há uma capela ou igreja em cada esquina da cidade. A cidade ainda brilha com a glória e riqueza do passado, portas de madeira e pequenas casas brancas com janelas coloridas contrastando com palácios coloniais. Igrejas eram a única maneira de manter o ouro no país e é por isso que uma delas tem mais de 400 kg do chão ao teto e decorações. Em seguida, paramos na Praça Tiradentes, centro da cidade de Ouro Preto, para almoçar uma das refeições mais nutritivas e deliciosas que você pode ter: açaí, um 'prato' típico brasileiro feito de polpa congelada de açaí, misturado com granola, xarope de guaraná e frutas frescas. O meu tinha banana, uvas, kiwis e morangos, já o Bernardo acrescentou castanhas e maçã e fez sua própria receita. O creme roxo fresco e gelado é um impulso de energia com poderes antioxidantes e deliciosamente viciante. “Agora temos de comer açaí depois de andar cada vez!”, eu digo enquanto acabo com o meu e lambo algumas gotas pequenas em meus dedos. “Nós podemos ter isso para o café da manhã, almoço, jantar... Você vai andar mais rápido, garantido!”

Lavras Novas

Em um de nossos últimos dias, Bernardo decidiu me levar para Lavras Novas, uma pequena vila localizada a 17 km de Ouro Preto. Durante os últimos dez anos, Lavras Novas vem crescendo em termos de turismo ativo, mas também é conhecida por seu estilo de vida despreocupado e locais amigáveis. Todos os bares oferecem refeições deliciosas e baratas e têm música ao vivo, com talentosos artistas que cantam ao ritmo de uma guitarra clássica ou simplesmente à capela. A maioria deles opta por cantar batidas alegres enquanto outros escolhem palavras comoventes para descrever a dura realidade do Brasil. Não importa qual o estilo da música, todos eles sorriem quando cruzamos a rua principal de Lavras Novas, junto com os cães de Bernardo: Thor, um labrador louco amarelo, e Costelinha, um cão de raça mista semelhante a um Galgo. “Estes são os meus parceiros de treino. Costelinha está ficando velho e geralmente não me segue, mas Thor é uma besta! Você não é, menino?”, diz Bernardo, enquanto aperta as bochechas de Thor e beija seu nariz, fazendo-o babar de alegria.

Pouco antes de entrar no singletrack em Mirante da Pedra, três crianças estavam andando de bicicleta pela estrada, fazendo flip flops, sem camisa ou capacete e com os calções rasgados. Sua habilidade principal era empinar a bicicleta para cima e para baixo, com apenas uma mão ou equilibrando-se por tanto tempo quanto possível. Quando passamos, elas sorriram e gritaram: “Ei Bernardoooo!”. “Eu costumava ser um desses meninos. Passei horas nas ruas fazendo a mesma coisa. Pedalar me mostrou o caminho certo na vida”,  confessa Bernardo. Eu secretamente espero que essas crianças persigam o mesmo sonho.

Os primeiros 6 km eram em uma trilha larga, com fluxo puro e sem seções íngremes. O maior desafio era entender onde se devia saltar de pedra em pedra, tentando ser mais rápido do que o Costelinha, que me seguia pela trilha. Bernardo ia na frente com Thor, que parecia saber para onde estava indo. Mais tarde eu descobri que ele sabia mesmo. Descendo e me equilibrando entre a inclinação e extensão da fuga, uma pequena lagoa azul começou a aparecer. A cada pedalada a lagoa parecia ficar maior, mais larga e mais próxima. Bernardo parou para beber um pouco de água e compartilhar ela com os cães, que suspiravam e balançavam suas caudas finas e longas, batendo-as violentamente em nossas pernas e bicicletas. “Estamos indo para a Represa do Custódio”, diz Bernardo enquanto esperamos por Thor, que tinha ido marcar território. A trilha ficava mais estreita à medida que atravessávamos uma floresta tropical escura. Infelizmente, algumas seções estam destruídas devido a motos. Embora o Brasil tenha uma enorme linha de costa, e longas praias de areia bastante conhecidas, estas escapadelas para o interior são a melhor maneira de refrescar o corpo e a mente depois de um dia de passeio ou trabalho. Durante o verão, as áreas em torno da lagoa estão cheias de moradores, que nunca perdem um dia ensolarado para curtir o local, especialmente por ser tão perto de Lavras Novas. Nós experimentamos exatamente o contrário: não havia mais ninguém lá.

Conforme nos aproximávamos, a lagoa parecia um oásis no deserto, uma miragem de algo que valia a pena parar e aproveitar, mesmo sabendo que teríamos que empurrar as bicicletas todo o caminho de volta. Assim que chegamos à Represa do Custódio, o fedido Thor saltou à nossa direita, certamente relaxando suas patas após 6 km de singletrack no ritmo do Bernardo. Mergulhamos em uma floresta densa e escura, uma verdadeira selva brasileira, circundando toda a lagoa. Mesmo que seja artificial, ela se encaixa perfeitamente na paisagem. Bernardo jogava paus e ramos e Thor trazia-os de volta, enquanto o velho Costelinha apenas se arrepiava ao seu lado. Só depois que eu coloquei minhas roupas, Thor decidiu parar. “Ele realmente faz isso de propósito, porque ele quer ficar aqui até o pôr do sol”, diz Bernardo.

Empurrar ou andar alguns trechos até Lavras Novas não foi tão mau como parecia, e logo que saímos da água decidimos parar para beber uma Eco Beer. “Elogios à natureza”, é o que consta no rótulo das garrafas, e nós brindamos a isso também. Depois de tantas combinações diferentes de açaí, optamos por ter uma refeição diferente em um lugar que Bernardo chama de Comida da Titia. Não é um restaurante e não há menu. “Oi tia, o que você tem para nós hoje?”, pergunta Bernardo entrando em um quintal de uma senhora vestindo uma bandana que dorme e ronca dentro de casa. “Hei tia. Acorde! Acorde!”, grita Bernardo. A senhora então se levanta da velha cadeira esganiçada e corre para Bernardo, dando-lhe um abraço apertado. “Quanto tempo sem ver você, Bernardo. Como está sua mãe?”, ela nem o deixa responder: “eu cozinhei arroz, feijão e carne bovina. Você sabe que eu sempre cozinho para mim e para todos que vem por aí... Bem-vindos meus meninos”, diz a senhora que é toda sorrisos, correndo na casa para preparar a comida. “É assim que funciona aqui em Ouro Preto. Há tias em todos os lugares e ninguém fica com fome por aqui”, explica Bernardo. Estávamos todos um pouco sonolentos, incluindo Thor e Costelinha, que estavam debaixo da mesa, mas assim que ela abriu a porta levando todas as panelas ao mesmo tempo, o cheiro da cozinha despertou nossos sentidos. A carne era macia, o arroz era suave e o feijão torna o prato único. Adicione algumas cervejas, um gramado bonito cortado a mão, um enorme salgueiro-chorão e este é outro dia para lembrar, vivendo o estilo de vida brasileiro!

Curiosidades

  •  Foi a minha primeira vez no Brasil e na América do Sul. Para o que eu sempre ouvi em Portugal, o Brasil foi colocado como um país violento. Eu sei que eu só explorei o interior, onde as pessoas são conhecidas por sua simpatia, mas eu realmente nunca me senti inseguro ou ameaçado em qualquer ponto.
  •  Nós deixávamos nossas bicicletas na van para ir almoçar. Embora todo mundo olhasse, ninguém ousava roubar nada em Ouro Preto. No alojamento elas não eram guardadas, e também não aconteceu nada.
  •  Bernardo não está correndo o Mundial de Downhill nesta temporada devido a restrições orçamentais. Ele está no Downhill Nacional e Enduro Nacional no Brasil. Ele também vai correr a Crankworx Les Gets e Crankworx Whistler, especialmente no Whip Off (duas vezes campeão), ele é especialista nisso. Ele também vai correr no Downhill Urbano Tour (foi vencedor em Taxco, México
  • Um dos amigos de Bernardo queria ir para Portugal para trabalhar. Eu disse a ele que não havia muitos postos de trabalho e os salários são superbaixos. Ele me respondeu que não quer ser rico; ele só quer o suficiente para viver e ser feliz. Esta foi uma mudança de vida naquele momento para mim também.
  •  Bernardo está atualmente patrocinado pela Adidas Eyewear, GT Bicycles, ASW Racing, Tapinha, Shimano e Marzocchi.
  • O meu voo de Portugal para o Brasil foi de cerca de 9 h 15 min (7.500 km): Lisboa (LIS) - Belo Horizonte (CNF).
  •  Um copo grande de açaí em Ouro Preto custa R$ 10,00, cerca de USD$ 3,00.
  •  Uma refeição completa em Lavras Novas custa R$ 16,00, cerca de USD$ 4,50.
  •  Nós visitamos o Retiro das Pedras, em Brumadinho, ao lado de Belo Horizonte. É um condomínio de cinco estrelas com guardas 24 horas. É um local super seguro com grandes casas, playground para crianças, piscinas e um ginásio.
  • O Brasil é o país do futebol, mas eu não vi quaisquer crianças jogando futebol nas ruas. Eu vi mais crianças andando de bicicleta - estranho.
  • As vespas nos atacaram no quarto dia. Bernardo foi mordido cinco vezes, eu fugi.
  • A área tem um grande potencial para mountain bike, especialmente para o desenvolvimento de férias em estilo aventura. É apenas uma questão de tempo e oportunidade.
  • No dia cinco nós fomos nadar em outra cachoeira. Quando estávamos na água um cara suspeito chegou perto de nossas roupas, bicicletas e câmeras. Embora Bernardo disse que não seria um problema, ele confessou que estava um pouco com medo que iria ser assaltado - especialmente a mochila com a câmera. Tivemos sorte, eu acho.
  • Ouro Preto faz parte do Patrimônio Mundial da UNESCO desde 1980.

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados