REVISTA BICICLETA - Abaixo a Repressão
THE POWER OF THE PRO
Pneus Kenda

O Portal
da Bicicleta

Bicicleta Sense a partir de R$ 2.765,00!
Revista Bicicleta - Edição 68

Assine

Revista Física
Revista Virtual



+bicicleta - Mobilidade

Abaixo a Repressão

Revista Bicicleta por André Geraldo Soares
35.081 visualizações
15/02/2013
Abaixo a Repressão
‘...só se vê aquilo que é procurado - e o imaginário social predominante só nos ensina a ver motores quando tratamos de mobilidade.’
Foto: Shutterstock

De vez em quando ouvimos que não são justificáveis os investimentos em infraestrutura cicloviária porque “não se vêem ciclistas nas ruas”... Tal afirmação, contudo, está errada porque, geralmente, só se vê aquilo que é procurado - e o imaginário social predominante só nos ensina a ver motores quando tratamos de mobilidade. Tal afirmação é discriminatória, porque mesmo os poucos ciclistas que circulam em determinadas vias públicas são portadores do direito de se movimentar com segurança e conforto para ter acesso à cidade. Mas essa afirmação também é conformista, pois acata servilmente um estado de coisas sem questionar seus fatores determinantes e se esquiva de apontar soluções.

É preciso ver, no sistema viário, os ciclistas que não estão ali por serem reprimidos, ou seja, aqueles cidadãos que gostariam ou precisariam usar bicicleta, mas que não o fazem por não encontrarem condições adequadas para tanto. Demanda reprimida, ciclisticamente falando, significa a quantidade de ciclistas restringida ou coibida pela inexistência de políticas públicas cicloinclusivas. É fácil compreender que a ausência de medidas arquitetônicas ou indicativas para proteger os ciclistas nas ruas e avenidas e que o trânsito intenso e veloz de motorizados impedem, dificultam ou desencorajam as pessoas a pedalarem mesmo em curtas distâncias.

A carência de pesquisas aprofundadas e sistemáticas sobre a mobilidade urbana que, por custosas, deveriam ser encomendadas por organismos governamentais, nos impede de oferecer dados mais precisos sobre a realidade da demanda reprimida no país. Alguns exemplos, contudo, nos permitem dar uma ideia desse fenômeno, que é bem conhecido pelos ciclistas envolvidos em debates e ações pró-bicicletas.

Em 2007, o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina/PR constatou, através de 500 entrevistas, que 56,5% dos motoristas londrinenses “optariam pela bicicleta caso houvesse um sistema cicloviário na cidade”, sendo esse índice de 39,5% entre os usuários do transporte coletivo e de 58,6% entre os pedestres. Roberta Raquel, em 2006, ouviu 34 usuários do transporte público de Florianópolis para sua monografia em geografia, verificando que 81,4% deles “usariam bicicleta com mais frequência caso houvesse a instalação de ciclovias”. Em Blumenau, no ano de 2002, a Associação Blumenauense Pró-Ciclovias entrevistou 602 estudantes de uma escola particular e recolheu, de 48,5% deles, a afirmação de que “virão ao colégio de bicicleta quando houver segurança”. Em 2008, a Celepar (Companhia de Informática do Paraná) ouviu cerca de 550 dos seus funcionários de Curitiba e obteve os seguintes resultados: 19,44% deles “usariam a bicicleta diariamente para ir ao trabalho se houvessem ciclovias seguras”, 27,78% o fariam “com frequência” e 37,30% o fariam “de vez em quando”.

Quantos pais e mães gostariam de conceder aos seus filhos a liberdade elementar de ir à escola de bicicleta, ao invés de ter de levá-los de carro ou de contratar transportadoras? Quantos trabalhadores gostariam de chegar ao seu trabalho em menos tempo do que a caminhada até o ponto e espera pelo ônibus caro e lotado? Quantos idosos gostariam de praticar uma atividade física saudável e, de quebra, ganhar autonomia de deslocamento? Ora, podemos até pular a etapa das pesquisas: basta instalar estruturas e equipamentos visando a segurança ciclística que constataremos o rápido aumento de pessoas usufruindo das vantagens individuais e sociais da bicicleta.

Lamentavelmente os administradores públicos têm agido para atender apenas a demanda pelo uso do automóvel: quanto mais viadutos construídos para tentar em vão desafogar o trânsito, mais pessoas sentir-se-ão estimuladas a tirar seus carros da garagem ou, em tempos de aquecimento econômico, a comprar um.  O sistema viário e o ordenamento do trânsito demonstram que o direito inalienável de ir e vir, assinalado na constituição brasileira, não é equitativamente distribuído e que os interesses coletivos são soberbamente sobrepujados em nome da liberdade individual: aqui, como em outras esferas do convívio social, privatizam-se os benefícios e socializam-se os danos.

A falta de investimentos públicos voltados para a mobilidade ciclística não é simplesmente uma omissão, é um contínuo programa repressor. A reivindicação de infraestrutura viária e de integração com o transporte público, de sinalização de compartilhamento, de programas educativos e de fiscalização continuada não é apenas uma demanda corporativista, é um projeto de construção da liberdade e da igualdade, ali onde a vida social flui: nas ruas das nossas cidades.

Curtiu esse post?

Quer receber mais conteúdo sobre bicicleta e ciclismo em sua casa? Então clique aqui conheça nossas ofertas de assinatura.

Comentários Facebook
Comentários
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Para postar seu comentário faça seu login abaixo.

E-mail
Senha

 

Cadastre-se Aqui | Esqueceu a senha?

Edições On-lineCadastre-se Esqueceu a senha?
E-mail
Senha
Vídeos

 

 

Para fechar o banner, clique aqui ou tecle Esc.

Revista Bicicleta 2012 © Todos os Direitos Reservados